NOTAS SOBRE A EDUCAÇÃO DO CORPO EM REGISTROS DE CAMPO DE ESTAGIÁRIOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Palavras-chave: Educação Física. Estágio Supervisionado. Educação Infantil. Educação do Corpo.

Resumo

O presente estudo teve como objetivo compreender como a educação do corpo é abordada por estagiários de Educação Física na Educação Infantil. Para tanto, realizou-se uma pesquisa documental, de natureza qualitativa, na qual analisou-se 72 relatórios finais de discentes da Universidade Federal do Norte do Tocantins nos anos letivos de 2018 a 2021, a partir da técnica de Análise de Conteúdo. Os resultados foram organizados a partir de dois contextos, um anterior e outro durante a pandemia do Covid-19. Considerou-se, na análise dos relatórios, três categorias para cada um dos contextos analisados. Identificou-se perspectivas distintas de educação do corpo nos registros, mas que em dados momentos se coadunam, sobretudo, em relação a interpretações de infância baseadas no cuidado e no controle do movimento. Portanto, infere-se que reflexões acerca do corpo na formação docente em Educação Física na Educação Infantil precisam ser engendradas, contemplando saberes que dialoguem com as crianças.

Biografia do Autor

Mayrhon José Abrantes Farias, Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT)

Doutor em Educação Física pelo Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade de Brasília (PPGEF/UnB). Docente adjunto do Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT/ Tocantinópolis). Realiza estágio Pós-doutoral no Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE/UnB, na linha de pesquisa de Estudos Comparados em Educação. Vice-líder do Grupo IMAGEM/UnB e do NIMEF/UFNT.

 

Adriano Lopes de Souza, Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT)

Doutor em Educação Física pelo Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGEF/UFES). Docente adjunto do Curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT/ Tocantinópolis). Pesquisador do NIMEF/UFNT.

Ingrid Dittrich Wiggers, Universidade de Brasília (UnB)

Doutora em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE/UFSC). Docente titular da Universidade de Brasília (UnB). Credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF/UnB) e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UnB), na linha de Pesquisa de Estudos Comparados em Educação. Líder do Grupo IMAGEM/UnB.

 

Referências

ALVES, F. D.; SOMMERHALDER, A. O brincar: linguagem da infância, língua infantil. Revista Motriz, Rio Claro, v.12, n. 2, p. 125-132. mai./ago., 2006.

ARAÚJO, L. S.; NOBRE, J. F. F. Jogos e brincadeiras na Educação Infantil. Rev. Humanidades e Inovação, v. 8, n. 34, 2021.

ARENHART, D. Entre a favela e o castelo: efeitos de geração e classe social nas culturas infantis. 2012. 306f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Estudos Sociais Aplicados, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

ARIÉS, P. História social da criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1981.

BARBOSA, R. F. M.; GOMES, C. F. Brincadeira, mídia e pós-modernidade: reflexões e dilemas na sociedade atual. Motrivivência, Florianópolis, n. 34, jun., 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BASEI, A. P. A educação física na educação Infantil: a importância do movimentar-se e suas contribuições no desenvolvimento da criança. Revista Iberoamericana de Educación, v. 47, n. 3, out., 2008.

BELLONI, M. L. O que é sociologia da infância. Campinas: Autores Associados, 2009.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2008.

BROUGÈRE, G. Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez, 2004.

BUCKINGHAM, D. Crescer na era das mídias eletrônicas. Tradução: Gilka Girardello e Isabel Orofino. São Paulo: Loyola, 2007.

CARVALHO, A. M. P. Os estágios nos cursos de licenciatura. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, Vozes, 2008.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CORTELLA, M. S. Informatofobia e informatolatria: equívocos na educação. Disponível em: http://www.inep.gov.br/pesquisa/bbeonline/det.asp?cod=51889&type=P. Acesso em 17 Nov. 2021.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 2007.

FREITAS, T. C. A educação do corpo na Escola-parque 210/211 Sul de Brasília. 2020. 240f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

GARCIA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S. (Orgs.) Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. 2. ed. Ijui: Unijuí, 2006.

ISSE, S. F.; MOLINA NETO, V. Estágio supervisionado na formação de professores de educação física: produções científicas sobre o tema. Journal Phys. Educ. Maringá, v. 2, 2016.

KISHIMOTO, T. M. Pedagogia e a formação de professores (as) de educação infantil. Pro-posições. v. 16, n. 3 (48), p. 181-193, set/dez. 2005.

_______. Encontros e desencontros na formação dos profissionais da educação infantil. In: MACHADO, Maria Lucia (Org.). Encontros e Desencontros na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. 6.ed. Ijuí: Unijuí, 2004.

LE BRETON, D. A Sociologia do corpo. Petrópolis: Editora Vozes, 2006.

MARTINS, E. S.; FRANÇA, T. M. S. Os registros da ação docente no período do estágio supervisionado: uma experiência formativa. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 16, n. 43, p. 51-68, Edição Especial, 2020.

MELLO, A. S. et al. A Educação Infantil na base nacional comum curricular: pressupostos e interfaces com a educação física. Motrivivência, v. 28, n. 48, p. 130-149, 2016.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOREIRA, J. A. M.; HENRIQUES, S.; BARROS, D. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Dialogia, São Paulo, n. 34, p. 351-364, 2020.

OLIVEIRA, M. A. T. Educação do corpo na escola brasileira: teoria e história. In: OLIVEIRA, M. A. T. (Org.). Educação do Corpo na Escola Brasileira. Campinas: Autores Associados, 2006.

OSTETTO, L. E. Observação, registro, documentação: nomear e significar as experiências In: OSTETTO, L. E. (Org.) Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. 5. ed. São Paulo: Papirus, 2011.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2012.

RICHTER, A. C.; VAZ, A. F. Corpos, saberes e infância: um inventário para estudos sobre a educação do corpo em ambientes educacionais de 0 a 6 anos. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Campinas, v. 26, n. 3, p. 79-93, 2005.

RIVOLTELLA, P. C. A formação da consciência civil entre o “real” e o “virtual”. In: FANTIN, M.; GIRARDELLO, G. (Orgs.). Liga, roda, clica: estudos em mídia, cultura e infância. Campinas, Papirus, 2008.

SACRISTÁN, J. G. O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SARTI, C. A. A família como ordem simbólica. Psicologia USP, São Paulo, v. 15, n.3, p. 11 – 28, 2004.

SAYÃO, D. T. Educação Física na Educação Infantil: riscos, conflitos e controvérsias. Revista Motrivivência, Florianópolis, n.13, nov., 1999.

SOARES, C. L.. Prefácio. In: OLIVEIRA, M. A. T. (org.). Educação do corpo na escola brasileira. Campinas: Autores Associados, 2006.

SOUZA, A. L. et al. A Base Nacional Comum Curricular e seus desdobramentos para a Educação Física. Motrivivência, Florianópolis, v. 31, n. 59, p. 01-17, 2019.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Projeto Pedagógico do Curso (PPC) de licenciatura em Educação Física, Câmpus de Tocantinópolis (Atualização 2018). Tocantinópolis: UFT, 2018.

VAZ, A. F. Dos corpos infantis em ambientes educacionais. Cadernos de Formação - RBCE, v. 9, n. 2, p. 47-56, set. 2018.

_______. Aspectos, contradições e mal-entendidos da educação do corpo e a infância. Motrivivência, Florianópolis, n. 19, dez. 2002.

VEIGA, C. G. Infância e modernidade: ações, saberes e sujeitos. In: FARIA FILHO, L. M. (Orgs.). A infância e sua educação: materiais, práticas e representações (Portugal e Brasil). Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 35-82.

WAJSKOP, G. O brincar na Educação Infantil. Cad. Pesq., São Paulo, n. 92, fev., 1995.

Publicado
2022-04-08
Seção
O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA