A ESCOLA NO CONTEXTO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: QUE MODELO DE EDUCAÇÃO ESTÁ SENDO CONSTRUÍDO?

Palavras-chave: Educação. Avaliação Externa. Autonomia Escolar.

Resumo

A cultura da avaliação externa, padronizada em larga escala e de viés contábil, invadiu as escolas e nelas se enraizou. Estabelecimentos de ensino lamentavelmente enfatizam a competição e os resultados. Daí, o currículo, as práticas pedagógicas, os estudantes e a autonomia da gestão e dos docentes são impiedosamente impactados. Com efeito, esse estudo objetiva refletir, com base em referencial teórico pertinente, o modelo de educação, escola e de cidadão vigente. Nortear ações públicas de educação centradas em testes avaliativos, que premiam e punem, não é algo salutar numa sociedade complexa (e desigual) como a brasileira, em face da qual a instituição escola deveria antes ser instrumento de inclusão e de realização de demandas sociais básicas ainda não completamente superadas.

Biografia do Autor

Edvar Ferreira Basílio, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Graduado em Pedagogia. Licenciado e Bacharel em Geografia, com habilitação em Estudos Geográficos Regionais (UFC). Bacharel em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pós-graduado - lato sensu - em Educação Ambiental; Pós-graduado - lato sensu - em Gestão Escolar. Professor da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE). 

Referências

AFONSO, A. J. Estado, políticas educacionais e obsessão avaliativa. Contrapontos, Itajaí, v.7, n. 1, p. 11-22, 2007.

AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta é mensurável ou comparável: crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 13, n. 1, p. 13- 29, 2009.

AFONSO, Almerindo. Para uma conceptualização alternativa de accountability em educação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 471-484, 2012.

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ARAÚJO, Caroline Silva. Desempenho e recompensa [manuscrito]: as políticas das secretarias estaduais de educação. 2014, 125 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Educação, 2014.

BOBBITT, John Franklin. O currículo. Porto: Didáctica, 2004.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2011

BRASIL. Constituição da República federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. Disponibilidade em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em 03 Mar. 2020.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

COELHO, Maria Izolda C. de A. Rede de cooperação entre escolas: uma ação no âmbito do Pacto de Avaliação na Idade Certa - PAIC. 2013, 163f. Dissertação do Mestrado Profissional CAED/FACED/UFJF. Juiz de Fora, 2013.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Entre a lógica da formação e a lógica das práticas: a mediação dos saberes pedagógicos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n.1, p. 109-126, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: MF Livros, 2008.

LIMA, L. C. (1997). O paradigma da educação contábil. Políticas educativas e perspectivas gerencialistas no ensino superior em Portugal. Revista Brasileira de Educação, 4, 43-59.

LIMA, L. C. Avaliação, competitividade e hiperburocracia. In: ALVES, M. P.; DE KETELE, J. M. (Org.). Do currículo à avaliação, da avaliação ao currículo. Porto: Porto Editora, 2011.

LIMA, L.C. A avaliação institucional como instrumento de racionalização e o retorno à escola como organização formal. Educação e pesquisa. São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1339-1352, 2015.

MOTA, M. O. Entre a meritocracia e a equidade: o Prêmio Escola Nota Dez na percepção e atuação dos agentes implementadores. Rio de Janeiro, 2018, 297 fls. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. RBPAE – v.25, n.2, p. 197-209, mai./ago. 2009.

POPKEWITZ, T. Políticas Educativas e Curriculares. Lisboa: Edições Pedagogo, 2011.

SANTOS, Luciola Licinio. Administrando o currículo ou os efeitos da gestão no desenvolvimento curricular. Educação em revista. Belo Horizonte, v. 33, 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Publicado
2022-05-12
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO