O USO DOS TELEFONES MÓVEIS NO COTIDIANO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO SOB O OLHAR DA SUPERVISÃO PEDAGÓGICA DO TURNO DA TARDE DO COLÉGIO SÃO FRANCISCO XAVIER (ABAETETUBA/PA)

Palavras-chave: Educação. Formação. Docente. Tecnologia.

Resumo

Este trabalho objetiva analisar as interferências do uso dos telefones móveis junto aos alunos do ensino médio a partir dos depoimentos da supervisão pedagógica do turno da tarde do colégio São Francisco Xavier, localizado na cidade de Abaetetuba, estado do Pará. Apresentamos como metodologia o estudo de caso em uma abordagem qualitativa e como técnica o questionário com perguntas semiestruturadas. Neste sentido, destacamos como aporte teórico Yin (2001); Hobsbawm (2010); kenski (2008); Assmann (2007); Levy (1999); Alves (2009) e outros colaboradores atrelados aos teóricos base. Assim, a pesquisa aponta que os alunos constroem seu perfil social pautado, em certa medida, na utilização destas ferramentas, o que acaba por desenvolver comportamentos e patologias que superam as competências escolares e sugerem a atuação de outros profissionais. Logo, sinalizamos ainda a necessidade do desenvolvimento e efetividade de políticas que forneçam estrutura às escolas e formação continuada junto aos profissionais da educação e demais servidores que interagem diariamente com os educandos na Instituição de ensino.

 

Biografia do Autor

Laercio Farias da Costa, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutorando Educação na Amazônia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Educação e Cultura pela Universidade Federal do Pará (UFPA). É membro do GERA (Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais) e do Grupo de Estudos e Pesquisa: Memória, Formação Docente e Tecnologia (GEPEMe). 

Referências

ALVES, Taíses Araújo da Silva. Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) nas Escolas: da idealização a realidade. 1999. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Faculdade de Educação - Universidade Lusófona de Humanidades Tecnologias Instituto de Ciências da Educação, Lisboa, 2009.

ASSMANN, Hugo. Reencantar a educação: rumo a sociedade aprendente. 12ªed.Petropolis, RJ: Vozes, 2012.

COLÉGIO S.F.X. EEEFM SFX, 2013. Disponível em <http://www.csfx.org.br/historico.html>. Acesso em 20 de junho de 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa/ São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, E. G. Veiga, E.C. e. Psicopedagogia e a teoria modular da mente. São José dos Campos: Pulso. 2006.

HOBSBAWM, E. J. A era das revoluções: 1789-1848. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2010.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2008.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

NÓVOA, Antonio. Profissão professor. NÓVOA, A. (org.). Profissão professor. 2 ed. Porto: Porto Editora, 1999.

PAPERT, Seymour. Logo: computadores e educação. São Paulo: Brasiliense, 1985.

TAVARES, JR. F.; SCOTON, R. Educação, Mídias E Tic: Reflexões Sobre O Papel Docente. Revista Inter Ação, v. 39, n. 3, p. 493-510, 2014.

YIN, Robert K. Estudo de Caso, planejamento e métodos. 2.ed. São Paulo: Bookman, 2001.

Publicado
2022-05-12
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO