ESTÁGIO: A CONSTRUÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA SIGNIFICATIVA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Palavras-chave: Estágio. Educação Física Escolar. Educação Infantil.

Resumo

Este texto tem por objetivo apresentar reflexões em torno da relação entre Educação Física e Educação Infantil a partir de um relato de experiência que versa sobre a construção da disciplina de estágio obrigatório “Educação Física na Educação Infantil” no currículo do curso de licenciatura em Educação Física da Universidade de Brasília (FEF/UnB). O relato consiste em uma reflexão crítica acerca da constituição da referida disciplina em três formatos, quais sejam: ensino presencial, ensino remoto e ensino híbrido. Destacam-se os limites, contradições e avanços, advindos dos condicionantes históricos e sociais, expressos na disciplina e a importância do estágio para a formação de professores/as de Educação Física.

Biografia do Autor

Jaciara Oliveira Leite, Universidade de Brasilia (UnB)

Doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília (PPGE/UnB). Docente da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (FEF/UnB). Membro da Comissão de Estágio do Curso de Licenciatura da FEF/UnB.

 

Renato Bastos João, Universidade de Brasilia (UnB)

Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura pelo Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB). Docente da Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília (FEF/UnB). Membro da Comissão de Estágio do Curso de Licenciatura da FEF/UnB.

 

Referências

ANDRÉ, M. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

APPLE, M. Ideologia e Currículo. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARENHART, D. A mística, a luta e o trabalho na vida das crianças do assentamento conquista na fronteira: significações e produções infantis. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina.

ARROYO, M. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013.

ARRUDA, E. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. EmRede: v. 7, n. 1, 2020, p. 257-275. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/621. Acesso em: 11 dez. 2021.

BASTOS, R. Ciências humanas e complexidades: projetos, métodos e técnicas de pesquisa: o caos, a nova ciência. Juiz de Fora: EDUFJF, 1999.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Plano Editora, 2002.

BRACHT, V. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos Cedes: ano XIX, nº 48, Agosto/99. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/3NLKtc3KPprBBcvgLQbHv9s/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 11 dez. 2021.

BRASIL. Lei n. 8069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm Acesso em 26/03/2022.

BRASIL. Lei n. 4024 de 20 de dezembro de 1961. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em 26/03/2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1, 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF: CNE - Conselho Nacional de Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso em: 26/03/2022.

BRASIL. Resolução CNE/CES 07/2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação – CNE. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso em: 26/03/2022.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: MEC – Ministério da Educação, SEB – Secretaria da Educação Básica, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf Acesso em: 26/03/2022.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC – Ministério da Educação, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: 26/03/2022.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Brasília, DF: MEC – Ministério da Educação. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376 Acesso em: 26/03/2022.

DISTRITO FEDERAL. Currículo em Movimento da educação básica: Educação Infantil. Brasília: SEEDF, 2018. Disponível em: https://www.educacao.df.gov.br/pedagogico-curriculo-em-movimento/ Acesso em: 26/03/2022.

DISTRITO FEDERAL. Educação Com Movimento: Projeto de inserção do professor de Educação Física na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Brasília: SEDF/GDF, 2019. Disponível em: https://www.educacao.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2018/01/educacao_com_movimento_31.03.2020.pdf Acesso em: 26/03/2022.

DISTRITO FEDERAL. Escola em Casa DF. Planejamento Curricular Educação Infantil. SEDF - Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, Subsecretaria de Educação Básica Diretoria de Educação Infantil, 2020.

FEF/UnB - FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Projeto Pedagógico de Curso – Licenciatura. 2011.

FEF/UnB - FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Projeto Pedagógico de Curso – Bacharelado. 2016.

FEF/UnB - FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Regulamento de Estágio – Licenciatura. 2011.

FEF/UnB - FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Plano de Curso Educação Física na Educação Infantil. 2021.

FREIRE, M. Observação, registro e reflexão – Instrumentos Metodológicos I. 2ª ed. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996.

JOÃO, R. Corporeidade/subjetividade humana e psicoterapia corporal em Biossíntese: articulações entre o pensamento complexo e a psicologia clínica. 2020. 415 f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura) - Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília 2020.

IORA, J. et al. A divisão licenciatura/bacharelado no curso de educação física: o olhar dos egressos. Movimento: Porto Alegre, v. 23, n. 2., p. 461-474, abr./jun. de 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/63979 Acesso em: 11 dez. 2021.

KUHLMANN JR, M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação: Mai/Jun/Jul/Ago 2000 Nº 14. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/CNXbjFdfdk9DNwWT5JCHVsJ/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 11/12/2021.

LEITE, J. Ser Criança Camponesa no Cerrado. 230 f. 2018. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília. 2018.

MEDEIROS, M. Didática e prática de ensino da educação física: para além de uma abordagem formal. Goiânia: Ed. do Autor. 1998.

OSTETTO, L. Planejamento na Educação Infantil: mais que a atividade, a criança em foco. In: Encontros e encantamentos na Educação Infantil: partilhando experiências de estágio. Campinas/SP: Papirus, 2000.

SACRISTÁN, J. O que significa o currículo? In: SACRISTÁN, José Gimeno (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SARMENTO, M. Infância, exclusão social e educação como utopia realizável. Educação, Sociedade e Culturas: nº 17, p. 13-32, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/KFYtzND57z8FLthFSZ3yCrB/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 5 dez. 2021.

SAYÃO. D. Corpo e movimento: alguns desafios para a Educação Infantil. Zero-a-seis: v. 4, n. 5, jan./jun., 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/11156 Acesso em: 11 dez. 2021.

SOARES, C. et al. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: Editora Cortez, 1992.

VENTURA, P. Universidade: espaço privilegiado para a formação de professores de Educação Física. Linhas Críticas: Brasília, DF, v. 17, n. 32, p. 77-96, jan./abr. 2011. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/3682 Acesso em: 11 dez. 2021.

Publicado
2022-04-08
Seção
O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA