ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM CURSOS NOTURNOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: AS PERCEPÇÕES DOS ORIENTADORES E DOS SUPERVISORES

Palavras-chave: Estágio Curricular Supervisionado. Formação. Ensino Noturno.

Resumo

Este artigo tem por objetivo compreender as percepções dos orientadores e supervisores sobre o seu envolvimento com o Estágio Curricular Supervisionado (ECS) em Educação Física (EF), em dois cursos noturnos de licenciatura. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, classificada como estudo de casos múltiplos. A coleta de dados envolveu seis professores orientadores e seis supervisores de ECS de duas universidades/cidades, através de entrevistas semiestruturadas que foram gravadas, transcritas e analisadas através da análise de conteúdo. Os dados obtidos foram organizados em duas categorias: a perspectiva dos orientadores sobre o ECS e a perspectiva dos supervisores. Sobre as percepções, percebemos que os orientadores utilizaram desse momento de diálogo para desabafar sobre anseios e pensamentos sobre o ECS, enquanto os supervisores não demonstraram opiniões tão aprofundadas, o que talvez se justifique pelo fato que o ECS para os mesmos seja uma pequena parte em sua extensa jornada de trabalho.

Biografia do Autor

Camila Ferreira de Castro, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutoranda em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Professora da Rede Pública Estadual do Rio Grande do Sul. 

 

 

Mariângela da Rosa Afonso, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS. Professora titular da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Física - UFPEL e tutora do Programa de Educação Tutorial (PET - UFPEL).

 

Referências

ALBUQUERQUE, S. B. G. O professor regente da educação básica e os estágios supervisionados na formação inicial de professores. Dissertação de Mestrado, PUC-Rio, 2007.

ARANHA, A. V. S., SOUZA, J. V. A. As licenciaturas na atualidade: nova crise? Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 50, p. 69-86, out./dez. 2013. Editora UFPR.

ARRUDA, T. O. ; PINTO, M. G. C. S. G. Estágio curricular supervisionado: o papel do professor regente da educação básica na formação inicial em Educação Física. Dissertação de Mestrado em Educação – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BENITES, L. C. O professor-colaborador no estágio curricular supervisionado em Educação Física: perfil, papel e potencialidades. Tese de Doutorado em Ciência da Motricidade - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

BENITES, L. C., SOUZA NETO, S., HUNGER, D. O processo de constituição histórica das diretrizes curriculares de formação de professores de Educação Física. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.34, n.2, p. 343-360, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução Nº 6, de 18 de dezembro de 2018. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Educação Física e dá outras providências. Brasília, DF, 18 DEZ 2018. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/55877795 Acesso em 11 nov 2020.

______. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução N° 7, de 31 de março de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física, em nível superior de graduação plena. Brasília, DF, 21 mar 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ces0704edfisica.pdf Acesso em 11 nov 2020.

______. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer nº 1. 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 18 fev. 2002a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf Acesso em: 12 nov 2020.

______. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº 2, 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da educação básica em nível superior. Brasília, DF, 19 fev. 2002b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res2_2.pdf Acesso em: 11 nov 2020.

______. Decreto N°6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Brasília, DF, 24 abril 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm Acesso em: 11 nov. 2020

BISCONSINI, C. R., FLORES, P. P., OLIVEIRA, A. A. B. Formação inicial para a docência: o estágio curricular supervisionado na visão de seus coordenadores. Journal of Physical Education. Maringá, v. 27, ed. 2702, 2016.

FARIAS, G. O. et al. Competências profissionais em Educação Física: uma abordagem ao longo da carreira docente. Motriz, Rio Claro, v.18 n.4, p.656-666, 2012

FERNANDES, A. P., ALMEIDA JÚNIOR, A. S. Aprendizagens no estágio supervisionado: produzindo novas formas e sentidos para os registros. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 12, n. 1, p. 53-64, 2013.

FERREIRA, F. F., KRUG, H. N. A reflexão na Prática de Ensino em Educação Física. Revista Kinesis. Santa Maria, n. 21, p. 11-30, 1999.

FURG. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação Física. Rio Grande, 2003.

GONÇALVES, C. L., PIMENTA, S. G. Revendo o ensino de 2º Grau, propondo a formação do professor. São Paulo: Cortez, 1992.

ISSE, S. F., MOLINA NETO, V. Estágio supervisionado na formação de professores de Educação Física: produções científicas sobre o tema. Journal of Physical Education, Maringá, n.27, v. 1, p.1-15, 2016.

LAMY, M. Dispositivos de formação de formadores de professores: qual profissionalização? In: ALTET, M., PERRENOUD, P., PAQUAY, L. (Orgs.). A profissionalização dos formadores de professores. São Paulo: Artmed. 2003. p.41-43.

LÜDKE, M. Universidade, escola de educação básica e o problema do estágio na formação de professores. Formação Docente. Belo Horizonte, v. 01, n. 01, p. 95-108, 2009.

MINAYO, M. C. S., COSTA, A. P. Fundamentos Teóricos das Técnicas de Investigação Qualitativa. Revista Lusófona da Educação. Lisboa, v. 40, n. 40, p. 139-152, 2018.

MONTIEL, F. C. Os Estágios Curriculares Supervisionados nos Cursos de Licenciatura em Educação Física no Rio Grande do Sul: impacto de 400 horas. 2010. 126 p. Dissertação Mestrado em Educação Física. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2010.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e Pedagogos, para quê? 12 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LÜDKE, M. Universidade, escola de educação básica e o problema do estágio na formação de professores. Formação Docente. Belo Horizonte, v. 01, n. 01, p. 95-108, 2009.

PEREIRA, S. G. P. et al. Trajetória de estudantes na formação inicial em Educação Física: o estágio curricular supervisionado em foco. Journal of Physical Education. Maringá, v. 29, 2018.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

RIGO, J. S.; CARDOSO, F. A.; HERNECK, H. R. Da expansão à evasão: as licenciaturas noturnas na UFV. Revista da Faculdade de Educação. Cáceres, v. 32, ano 17, n. 2, p. 69-86, 2019.

TARDIF, M., MOSCOSO, R. N. A noção de “profissional reflexivo” na educação: atualidade, usos e limites. Tradução de Cláudia Schilling. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v.48, n.168, p.388-411, 2018.

UFPEL. Projeto Pedagógico do Curso Noturno de Licenciatura em Educação Física. Pelotas, 2014.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5 ed. Bookman, 2015.

Publicado
2022-04-08
Seção
O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA