O PENSAMENTO LIMINAR E A EPISTEMOLOGIA DA SUBALTERNIDADE: VINCULAÇÃO ENTRE DECOLONIALIDADE E COLONIALIDADE/MODERNIDADE

Palavras-chave: Pensamento Liminar. Subalternidade. Decolonialidade. Colonialidade. Modernidade.

Resumo

O pensamento liminar, que emerge do reconhecimento de que as diferenças culturais entre colonizadores e (pós)colonizados foram transformadas em valores e hierarquias a partir de classificações produzidas pela epistemologia colonial/moderna, produziu a subalternidade como uma categoria epistemológica. Por meio dela, tornou-se possível vincular decolonialidade à colonialidade/modernidade. A primeira, entendida como a de(s)colonização do poder, do saber e do ser, entre outras, das sociedades que foram colonizadas; colonialidade/modernidade, como as ideologias do sistema-mundo colonial/moderno/capitalista, que da América expandiu-se por todo planeta. Neste estudo, discute-se sobre a centralidade da subalternidade enquanto proposição para a realização do giro decolonial; como a de(s)colonialidade vem sendo construída como possibilidade de descolonização ampla; e como a decolonialidade é instrumento teórico para desconstruir as hegemonias da colonialidade e da modernidade; defende-se ainda a tese de que a subalternidade, na perspectiva do pensamento liminar, efetiva a pluriversalidade como projeto global.

Biografia do Autor

Paulo Robério Ferreira Silva, Universidade Estadual de Montes Claros

Mestre em Ciências Sociais pela PUC Minas. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social (PPGDS) da Unimontes. Bolsista CAPES. 

Referências

Referências
BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n..11, Brasília, p. 89-117, mai./ago., 2013.

BOMFIM, M. América Latina: males de origem. Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro, 2013.

CASTRO-GÓMEZ, S. La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Editorial Pontificia Universidad Javeriana, 2005.

CASTRO-GÓMEZ, S.; MENDIETA, E. Introduccion: la translocalizacion discursiva de latinoamerica en tiempos de la globalizacion. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; MENDIETA, E. Teorías sin disciplina: latinoamericanismo, poscolinialidad y globalización en debate. México: Miguel Ángel Porrúa, 1998a.

CASTRO-GÓMEZ, S; MENDIETA, E. Teorías sin disciplina: latinoamericanismo, poscolinialidad y globalización en debate. México: Miguel Ángel Porrúa, 1998.

CORONIL, F. Natureza do pós-colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 50-62.

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p.133-168.

GROSFOGUEL, R. Descolonizando los universalismos occidentales: el pluri-versalismo transmoderno decolonial desde Aime Cesaire hasta los zapatistas. In: CASTRO-GOMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (coords.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogota: Siglo del Hombre Editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporaneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 63-77.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 396-443.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MALDONADO-TORRES, N. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. In: SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, pp. 396-443.

MALDONADO-TORRES, N. La descolonización y el giro des-colonial. Tabula Rasa, Bogotá – Colômbia, n. 9, p. 61-72, jun./dez., 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2020.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser, contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GOMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogota: Siglo del Hombre Editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporaneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, pp. 127-167.

MALDONADO-TORRES, N. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Revista Sociedade e Estado – Vol. 31. n. 1 jan./abr., 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

MARIÁTEGUI, J. C. Ideología y política. Lima: Amauta, 1969.

MARTÍ, J. Nuestra América. 3a. ed. Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho, 2005.

MIGNOLO, W. Desafios coloniais hoje. Epistemologias do Sul. Foz do Iguaçu, PR, 1(1), pp. 12-32, 2017. Disponível em: . Acesso em 15 jan. 2020.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em político. Cadernos de Letras da UFF, n. 34, p. 287-324, 2008b. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad e gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

MIGNOLO, W. El Pensamiento Decolonial: desprendimiento y apertura. Un Manifiesto. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (eds.). El Giro Decolonial: reflexiones para uma diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo Del Hombre Editores, 2007.

MIGNOLO, W. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

MIGNOLO, W. La opción de-colonial: desprendimento y apertura: un manifiesto y un caso. Tabula Rasa, n. 8, p. 243-282, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

MIGNOLO, W. La opción descolonial. Letral, Revista Electrónica de Estudios Transatlánticos. Universidad de Granada, n. 1, p. 4-22, 2008a. Disponível em: . Acesso em 15 jan. 2020.

MIGNOLO, W.; PINTO, J. R. de S. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 3, p. 381-402, jul./set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2020.

MIGNOLO, W.; Walsh, C. E. On decoloniality: concepts, analytics, praxis. Durham: Duke University Press, 2018.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Entre América e Abya Yala: tensões de territorialidades. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 20, p. 25-30, jul./dez. 2009. Editora UFPR. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2019.

PRATT, M. L. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010, p. 84-130.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. A coloniaalidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 107-130.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, globalização e democracia. Diplomacia, Estratégia e Política/Projeto Raúl Prebisch, n. 6, p. 132-179 abr./jun., 2007.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú Indígena. 13(29): p. 11-20, 1992. Disponível em: . Acesso em 14 jul. 2019.

RIBEIRO, D. América Latina: a pátria grande. 3a. ed. São Paulo: Global, 2017.

RIBEIRO, D. Manoel Bomfim antropólogo. In: BOMFIM, Manoel. América Latina: males de origem. Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro, 2013.

RIBEIRO, D. O processo civilizatório: estudos de antropologia da civilização. 9a ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

RIBEIRO, D. Os brasileiros: teoria do Brasil. 8a. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

WALLERSTEIN, I. O sistema mundial moderno: a agricultura capitalista e as origens da economia-mundo europeia no século XVI. Vol. 1. Porto: Afrontamentos, 1990.

WALSH, C. E. Interculturalidad, Estado, sociedad: luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito: Universidad Andina Simón Bolívar/Ediciones Abya-Yala, 2009.
Publicado
2021-07-20
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO