A (DUPLA) INVISIBILIDADE DOS BEBÊS E DAS CRIANÇAS BEM PEQUENAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: TÃO PERTO, TÃO LONGE

Carolina Gobbato, Maria Carmen Silveira Barbosa

Resumo


Este trabalho reflete e problematiza a (in)visibilidade dos bebês e das crianças bem pequenas nas políticas educacionais, documentos oficiais e legislações sobre a Educação Infantil. Para realizar tal tarefa, foi realizada a análise de um conjunto de documentos oficiais e pesquisas recentemente realizadas no país, procurando observar a presença desses sujeitos. Observou-se que as expressões bebês e crianças pequenas são quase inexistentes nos textos oficiais e também naqueles que configuram os discursos e práticas pedagógicas da primeira etapa da educação básica. A problematização dessa presença incipiente é feita em diálogo com discursos dos Novos Estudos Sociais da Infância e finaliza com proposições para encaminhar a (dupla) visibilidade desses sujeitos: nas politicas e nas práticas pedagógicas.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Carmen Silveira. As especificidades da ação pedagógica com os bebês. In: BRASIL. Ministério da Educação. Consulta pública sobre orientações curriculares nacionais da educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2010 Disponibilidade em: . Acesso em: 10 abr 2016.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Tempo e Cotidiano? Tempos para viver a infância. Leitura: Teoria & Prática, Associação de Leitura do Brasil (ALB), Campinas, n. 61, v. 31, p. 213-222, 2013. Disponibilidade em: . Acesso em: 03 fev 2016.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; RISCHTER, Sandra Regina Simonis. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Educação (UFSM), Santa Maria, n.1, v. 35, p. 85-95, 2010. Disponibilidade em: . Acesso em: 10 jul 2013.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; RISCHTER, Sandra Regina Simonis. Creche: uma estranha no ninho educacional. Dialogia (UNINOVE. Impresso), v. 17, p. 75-92, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BEE, Helen. Psicologia do desenvolvimento: questões sociais. Rio de Janeiro: Interamericana, 1977.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Centro gráfico do Senado Federal.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Propostas pedagógicas e currículo em educação infantil: um diagnóstico e a construção de uma metodologia de análise. Brasília, DF: MEC/SEF/DPE/COEDI, 1996a.

BRASIL. Lei n° 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção I, p. 27834-2784, 1996b

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília: MEC, 2006a

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2006. v. 1 e 2, 2006b

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações sobre convênios entre secretarias municipais de educação e instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos para a oferta de educação infantil. – Brasília: MEC, SEB, 2009b. 96 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009c.

BRASIL. Práticas Cotidianas na Educação Infantil – Bases para Reflexão sobre as Orientações curriculares. Projeto de cooperação técnica MEC / Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Construção de orientações curriculares para a Educação Infantil. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica/ UFRGS, 2009d.

BRASIL. Relatório de pequisa: A Produção Acadêmica sobre Orientações Curriculares e Práticas Pedagógicas na Educação Infantil Brasileira. Projeto de Cooperação Técnica MEC / Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica/ UFRGS, 2009e.

BRASIL. Relatório de pesquisa: Mapeamento e análise das propostas pedagógicas municipais para a educação infantil no Brasil. Projeto de Cooperação Técnica MEC / Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Brasília, MEC/Secretaria de Educação Básica/ UFRGS, 2009f.

BRASIL. Relatório de pesquisa: Contribuições dos pesquisadores à discussão sobre as ações cotidianas na educação das crianças de 0 a 3 anos. Projeto de Cooperação Técnica MEC / Universidade Federal do Rio Grande do Sul para Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Brasília, MEC/Secretaria de Educação Básica/ UFRGS, 2009g.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara da Educação Básica. Parecer 20, de 11 de Novembro de 2009. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: CNE/CEB, 2009h

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

COELHO, Olívia Pires; BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Anarquismo e Descolonização: possibilidades para pensar a infância e sua educação. Childhood And Philosophy, Rio de Janeiro, 2017. (no prelo)

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

COUTINHO, Ângela Scalabrin. As crianças no interior da creche: a educação e o cuidado nos momentos de sono, higiene e alimentação. 2002. 164f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

DOLTO, Françoise. La causa de los ninos. Buenos Aires; PAIDOS, 1991.

FERNANDES, Cinthia Votto. Eu gosto de brincar com os do meu tamanho!: culturas infantis e cultura escolar - entrelaçamentos para o pertencimento etário na instituição escolar. 2008. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

FERREIRA, Manuela. A Gente Gosta é De Brincar Com os Outros Meninos! Relações sociais entre crianças num jardim de infância. Porto: Edições Afrontamento, 2004.

FOCHI, Paulo. “Mas os bebês fazem o quê no berçário, heim?”: documentando ações de comunicação, autonomia e saber-fazer de crianças de 6 a 14 meses em contextos de vida coletiva. 2013. 172f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

FREITAS, Rachel Pereira. As crianças bem pequenas na produção de suas culturas. 2011. 207f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

FREUD, Sigmund. O Estranho. In: Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1986. P. 237 - 269

GOBBATO, Carolina. Os bebês estão por todos os espaços: um estudo sobre a educação de bebês nos diferentes contextos de vida coletiva da escola infantil. 2011. 222f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

GOLSE, Bernard. O desenvolvimento afetivo e intelectual da criança. Porto Alegre: Artmed, 1998. 3ª ed.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma Antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Psicol. USP, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 313-336, set. 2009. Disponibilidade em: . Acesso em: 15: jul. 2016.

HOYUELOS, Alfredo. La estética en el pensamiento y obra pedagógica de Loris Malaguzzi. Barcelona: Octaedro, 2006.

HOCHSCHILD, Arlie Russel. As cadeias de assistência global e a mais-valia emocional. In: Hutton, Will; Giddens, Anthony. No limite da racionalidade. Convivendo com o capitalismo global. Rio de Janeiro: Record, 2004.

MALAGUZZI, Loris. Los pequeños del cine mudo: juegos em La escuela infantil entre niños y peces. Barcelona: Octaedro, 2004.

ORTEGA, Francisco. O corpo incerto. Corporeidade, tecnologias médicas e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

PRADO, Patrícia. Educação e Cultura Infantil em Creche: um estudo sobre as brincadeiras de crianças pequenininhas em um CEMEI de Campinas/SP. 1998. 200f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 1998.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante. Cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002

ROSEMBERG, Fúlvia. Bebês e creche: discursos e políticas. In: 35ª REUNIÃO ANUAL DA ANPEd. Educação, Cultura, Pesquisa e Projetos de Desenvolvimento: o Brasil do Século XXI. Porto de Galinhas, PE, 2012.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto (Orgs.). Infância (in)visível. Araraquara: Juqueira & Marin, 2007, p. 25-49.

SCHMITT, Rosinete Valdeci. “Mas eu não falo a língua deles! ”: as relações sociais de bebês num contexto de educação infantil. Florianópolis: UFSC, 2008. 217 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

SECANECHIA, Lourdes Pereira de Queiroz. Uma interpretação à luz da ideologia de discursos sobre bebês e a creche captado em cursos de pedagogia da cidade de São Paulo. 2011. 226f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social). Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica, 2011.

SIMIANO, Luciane Pandini. Meu quintal é maior que o mundo: Da configuração do espaço da creche à constituição de um lugar dos bebês. 2010. 136f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, 2010.

TARDOS, Anna; SZANTO, Agnès. O que é autonomia na primeira infância? In: FALK, Judit. Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. São Paulo: JM, 2004. (p.33-46)

VARGAS, Gardia. Bebês em suas experiências primeiras: perspectivas para uma escola da infância. 2014. 230f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Maria Carmen Silveira Barbosa

e-ISSN: 2358-8322

Copyright: © 2014 Unitins

 

Revista Humanidades e Inovação

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

108 Sul Alameda 11, Lote 03 - CEP.: 77020-122 - Palmas-Tocantins

Tel.: (63) 3218-4911

 E-mail: rev.humanidades@unitins.br

 

 

Indexadores:

LatindexSistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

RedibRed Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico (Consejo Superior de Investigaciones Científicas, Espanha)

Livre!Portal para periódicos de livre acesso na Internet (Brasil)

MiarInformation Matrix for the Analysis of Journals (Universitat de Barcelona, Generalitat de Catalunya)

Mir@bel - (Re) cueillir les savoirs (Sciences Po Lyon, Sciences Po Grenoble e Diderot Biblioteca Lyon, França)

Diadorim Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Brasil)