FAMÍLIA E IDENTIDADE: UMA REALIDADE EM MOVIMENTO

  • Giselli de almeida Tamarozzi Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: Família. Identidade. Vida Cotidiana.

Resumo

O presente artigo teve como objetivo refletir sobre as dimensões da identidade de família atribuída e constituída também por casais do mesmo sexo, bem como os vínculos afetivos que permeiam as famílias. A discussão justificou-se pela necessidade de aprofundar o conhecimento sobre as relações sócio afetivas geradas a partir das diferentes formas de constituir família. Para tal recorreu-se ao levantamento bibliográfico como subsídio teórico e metodológico. Identificou-se que os vínculos afetivos entre o grupo familiar, em geral, são persistentes, revelando que os aspectos que fundam a identidade familiar se sobrepõem aos tradicionais. A construção da identidade de família se faz nas ocorrências da vida cotidiana e está referida aos valores herdados das famílias de origem, as quais também se apresentaram com importância ímpar.

Biografia do Autor

Giselli de almeida Tamarozzi, Universidade Federal do Tocantins

Mestre e Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – SP. Professora e vice - coordenadora do curso de Pós-Graduação em Serviço Social da UFT.

Referências

CASTAÑEDA, Marina. A experiência homossexual: explicações e conselhos para os homossexuais, suas famílias e seus terapeutas. 1ª ed. São Paulo: Ed. A Girafa. 2007.

DIAS, Maria Berenice. A igualdade desigual. Disponibilidade em: . Acesso em: 18 jun. 2018):> Acesso em: 18 junho 2018.

______. Uniões homoafetivas: uma realidade que o Brasil insiste em não ver. Disponibilidade em: . Acesso em: 18 jun. 2018.
FORMIGA, Nilton S.; et Al. As atitudes frente aos grupos minoritários: Um estudo em termos das formas sutis do preconceito. In: Barbarói: Revista do Departamento de Ciências Humanas e do Departamento de Psicologia / UNISC. N. 22/23 (jan./dez. 2005) Santa Cruz do Sul: Editora da UNISC, 2005.

FRANÇA, Maria Regina Castanho. Terapias com casais do mesmo sexo. In: Laços amorosos: terapia de casal e psicodrama, p. 149-180. São Paulo: Agora, 2004.

HALL, Stuart. A identidade cultura na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva et Guacira Lopes Louro, 6ª edição, Rio de Janeiro: DP&A editora, 2001.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

HOBSBAWN, Eric. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. 2. ed. São Paulo: Companhia da Letras, 1998.

IAMAMOTO, Marilda Villela. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

¬¬¬¬_________, Marilda Villela, CARVALHO. Raul de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 5ª edição. São Paulo: Cortez, 1986.

IANNI, Octávio. Dialética e capitalismo. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

______. Estratégias de sobrevivência das famílias pobres de Bauru: redes de apoio familiar. 2001. 131 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

MARTINS, Carlos Estevam, Da globalização da economia à falência da democracia. In: Assistência Social: Parâmetros e Problemas. São Paulo, Ed. FUNDAP, 1999.

MARTINELLI, Maria Lúcia; RODRIGUES ON, Maria Lúcia; MUCHAIL, Salma Tannus. (Org.). O uno e o múltiplo nas relações da área do saber. São Paulo: Cortez, 1995.

______. Serviço Social: identidade e alienação. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.

SARTI, Cynthia Andersen. Família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Autores Associados, 1996.
SAWAIA, Bader (Org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes, 1999.

TEIXEIRA, Solange Maria. A Família na Política de Assistência Social: concepções e as tendências do trabalho social com família nos CRAS de Teresina-PI. Teresina: EDUFPI, 2013.
Publicado
2020-02-14