INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NO ENSINO MÉDIO: PERCEPÇÕES E PRÁTICAS DOCENTES EM CRISTALINA-GO

Palavras-chave: Ensino Médio. Metodologias Ativas. Cristalina-GO.

Resumo

O presente trabalho busca investigar as concepções evidenciadas pelos docentes acerca das metodologias ativas, assim como a utilização de tais metodologias em sala de aula. A pesquisa desenvolveu-se junto a professores das escolas públicas estaduais de Ensino Médio do município de Cristalina-GO, apoiada em um estudo exploratório, a partir de investigações bibliográficas, documentais e da aplicação de um questionário online. Observou-se que no que se refere às concepções e percepções dos docentes, a temática das metodologias ativas é majoritariamente apontada como algo relevante e que pode contribuir para o processo de ensino-aprendizagem. Por outro lado, revelaram-se posicionamentos paradoxais, pois mesmo os docentes manifestando conhecer a temática e reconhecer a sua importância, ainda declararam dedicar seu tempo com atividades expositivas e/ou relacionadas à rotina administrativa e burocrática de sala de aula. Conclui-se pela necessidade de internalização e real aplicação das metodologias ativas por parte dos docentes, de modo a possibilitar a construção de uma acepção de educação coerente com as realidades e o meio social no qual se desenvolve.

Biografia do Autor

Maria Cristina Mesquita da Silva, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Mestra em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Especialista em Políticas Públicas de Educação com Ênfase em Monitoramento e Avaliação. Especialista em Língua Portuguesa e Literatura no Contexto Educação. Graduada em Letras com Habilitação em Língua Espanhola pela Universidade de Brasília (UNB). 

Livia Maria Rassi Cerce, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Doutoranda em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Mestra em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Autora do Livro "A relação afetiva no processo de ensino e aprendizagem nas classes de alfabetização". Idealizadora e Diretora Geral do Colégio Ágora.

Pricila Kohls dos Santos, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Pós-doutorado em Educação Superior pela PUCRS. Doutorado em Educação. Docente e pesquisadora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Brasília (UCB). Líder do grupo de pesquisa interdisciplinar em Tecnologias Digitais, Internacionalização e Permanência estudantil - (GeTIPE). Integrante da RedGUIA.

Érika de Oliveira Lima, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Doutoranda em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Bolsista Capes. Mestra em Turismo e Meio Ambiente pelo Centro Universitário de Ciências Gerencias. Professora efetiva do Instituto Federal de Brasília.

Referências

AUSUBEL, David. P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma Perspectiva Cognitiva. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 2003.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Medida Provisória n.º 746, de 2016. Disponível em: <https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/126992>. Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm>. Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. O uso de metodologias ativas colaborativas e a formação de competências. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/implementacao/praticas/caderno-de-praticas/aprofundamentos/202-o-uso-de-metodologias-ativas-colaborativas-e-a-formacao-de-competencias-2?highlight=WyJtZXRvZG9sb2dpYXMiLCJhdGl2YXMiLCJtZXRvZG9sb2dpYXMgYXRpdmFzIl0=>. Acesso em: 22 out. 2019.

BACICH, Lilian; MORAN, José (Org.). Metodologias Ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico prática. Porto Alegre: Penso, 2018. (Série Desafios da Educação).

DIESEL, A. et al. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista THEMA. Lajeado, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuine. A Sala de Aula Inovadora: Estratégias pedagógicas para Fomentar o Aprendizado Ativo. Porto Alegre: Ed. Penso, 2018.

CORTELAZZO, Angelo Luiz; FIALA, Diane Andreia de Souza; JUNIOR, Dilermando Piva; PANISSON, Luciane; RODRIGUES, Maria Rafaela Junqueira Bruno. Metodologias Ativas e Personalizadas de Aprendizagem. Rio de Janeiro: Ed. Alta Books, 2018.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1985.

FERREIRA, Eliza Bartolozzi. A Contrarreforma do Ensino Médio no Contexto da Nova Ordem e Progresso. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.293-308, abr.-jun., 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00293.pdf>. Acesso em: 23 out. 2019.

FERRETI, Celso João. A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, n. 93, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v32n93/0103-4014-ea-32-93-0025.pdf>. Acesso em: 21 out. 2019.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

LEITE, B. Aprendizagem tecnológica ativa. Revista Internacional de Educação Superior, v. 4, n. 3, p. 580-609, 25 maio 2018. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8652160/18084>.

LUKE, Carmen, Pedagogy, Connectivity, Multimodality, and Interdisciplinarity. Reading Research Quarterly, v. 38, n. 3, p. 397-403, jul-sep 2003.

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes Necessários para o Futuro. 2. ed. revisada. Brasília-DF: Ed. Cortez., Unesco, 2011.

MORAN, José Manuel. A Educação que Desejamos: Novos Desafios e Como Chegar lá. 5. ed. Campinas-SP: Papirus, 2012.

MOTA, Ana Rita; ROSA, Cleci T. Werner da. Ensaio sobre metodologias ativas: reflexões e propostas. Espaço Pedagógico. v. 25, n. 2, Passo Fundo, p.261-276, maio/ago. 2018. Disponível em: <http://www.upf.br/seer/index.php/rep>.

SANCHO GIL, J. M.; HERNÁNDEZ-HERNÁNDEZ, F. Dos “porquês” e “comos” por trás de uma pesquisa sobre aprender a ser docente de ensino fundamental. In: SANCHO GIL, J. M.; HERNÁNDEZ-HERNÁNDEZ, F. (Org.). Professores na incerteza: Aprender a docência no mundo atual. Porto Alegre: Penso, 2016. p. 1-28.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa Qualitativa em Educação. 1. ed (25 reimpressão). São Paulo: Atlas, 2019.

WELER, Wivian; BENTO, André Lúcio. (Orgs) Ensino Médio Público no Distrito Federal: Trabalho Pedagógico e Aprendizagens em Sala de Aula. Brasília-DF: Ed UnB, 2018.

Publicado
2022-05-12
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO