CONHECIMENTO E VIVÊNCIAS NO SUS POR ACADÊMICOS DE MEDICINA DURANTE A DISCIPLINA GESTÃO EM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Antônia Iracilda e Silva Viana
  • Maricélia Tavares Borges Oliveira Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Jacyane Ramos de Sousa
  • Guiomar Correia Teodósio de Lima
Palavras-chave: Gestão em Saúde; Educação Médica; Sistema Único de Saúde; Serviços de Saúde.

Resumo

Objetivou-se descrever a experiência de acadêmicos do curso de Medicina participantes das atividades da disciplina Gestão em Saúde, como proposta de reorientação curricular, baseada no processo de trabalho que envolve o cotidiano do Sistema Único de Saúde (SUS). Utilizou-se do método Relato de Experiência de acadêmicos de Medicina, durante a disciplina Gestão em Saúde, na Universidade Federal do Maranhão, em Imperatriz, de fevereiro a dezembro de 2018. Estudo descritivo, com uso de técnicas de observação - participante e rodas de conversa. Os resultados demonstraram mudança positiva sobre a compreensão do SUS e que o conhecimento adquirido poderia ser utilizado pelos profissionais participantes para facilitar o acesso do usuário ao serviço de saúde e que há desconhecimento generalizado de graduandos sobre o funcionamento do Sistema Único de Saúde. Observou-se que a disciplina tem caráter inovador, propositivo, capaz de promover articulação integrada entre ensino e aprendizagem nas Redes de Atenção à Saúde.

Referências

ALBUQUERQUE, V.S. et al. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais de saúde. Rev. Bras. Educ. Med., v.32, n.3, p.356-62, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior .Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/observatorio-da-educacao/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/20138-ces-2014 Acesso em: 30.01.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 1.442 de 17 de dezembro de 2014. Disponível em: http://www.lex.com.br/legis_26308252_PORTARIA_N_1442_DE_17_DE_DEZEMBRO_DE_2014.aspx Acesso em 26.04.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC Nº 36. 2013 Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html. Acesso em: 30.01.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 1559 de 1º de agosto de 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Acesso em: 28.03.19.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1378_09_07_2013.html Acesso em 28.04.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 1.378, de 09 de julho de 2013. Brasília; 2013 [citado 2018 mar. 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1378_09_07_2013.html Acesso em 02.04.2019.

CAVALCANTI, R.P.; CRUZ, D.F.; PADILHA,W.W.N. Desafios da Regulação Assistencial no Sistema Único de Saúde. Rev.Bras.de Ciências da Saúde. Volume 22 N. 2 P. 181-188 2018 Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/download/31872/19568 Acesso em 25.04.2019.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM 1638/2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Acesso em: 30.04.2019. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2002/1638_2002.htm Acesso em 03.03.2019.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Resolução 338/2004. 2011. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/17/Resolucao-338-06052004.pdf Acesso em 30.01.2019.

COUTO, V.B.M. et al .Vivenciando a Rede: Caminhos para a Formação do Médico no Contexto do SUS. Rev. bras. educ. med., Brasília , v. 42, n. 2, p. 5-14, June 2018. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022018000200005&lng=en&nrm=iso>. Access on 09 June 2019. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2rb201610 Acesso em 12.02.2019.

FRANCA JUNIOR, R. R de; MAKNAMARA, M.. A literatura sobre metodologias ativas em educação médica no Brasil: notas para uma reflexão crítica. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro , v. 17, n. 1, e0018214, 2018 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462019000100513&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 02.06. 2019.

GARCIA,V.M,;REIS, R.K. Perfil de usuários atendidos em uma unidade não hospitalar de urgência. Rev. Bras. Enferm. 2014 mar-abr; 67(2): 261-7 Disponível em http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n2/0034-7167-reben-67-02-0261.pdf Acesso em 09.06.2019.

J.R.L.C.P. ; RANGEL, M. Prontuário Médico e suas Implicações Médico-Legais na Rotina do Colo-Proctologista. Rev,.Bras.Coloproct. abril-junho, v. 17,n.,2, 2007http://www.scielo.br/pdf/rbc/v27n2/04.pdf. Acesso em 20.02.2019.

MARIN, M.J.S. et al .Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 34, n. 1, p. 13-20, Mar. 2010 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022010000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 30.04.2019.

MARQUES, Lumaira Maria Nascimento Silva da Rocha. As metodologias ativas como estratégias para desenvolver a educação em valores na graduação em enfermagem.Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro , v. 22, n. 3, e20180023, 2018 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452018000300602&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 01.04. 2019

MARTINS ,A.C.M;NETTO, G.F;SILVA, F.A.M. Características do tutor efetivo em ABP- Uma revisão de literatura. Revista Brasileira de Educação Médica .P.22. 2018.

MITRE, S. M. et al . Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, Dec. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000900018&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 16.05.2019.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PEDUZZI, M.; SCHRAIBER, L.B. Processo de trabalho em saúde. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Disponível em http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/protrasau.html. Acesso em 30.04.2019.

SILVA P.B.G.; BERNARDES N.M.G.;Rodas de Conversa - Excelência acadêmica é a diversidade. A conversation – Academicexcellenceisdiversity. N.61 Porto Alegre – 2007.

SILVA, J. A.; COSTA, E. A.; LUCCHESE, G. SUS 30 anos: Vigilância Sanitária. Ciênc. saúde colet. 23 (6) Jun 2018 • Disponível em https://www.scielosp.org/article/csc/2018.v23n6/1953-1961/ Acesso em: 22.02.19.

UNGARI A.Q. ET AL . Estratégias para a garantia da integralidade na perspectiva do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. RAS _ Vol. 16, No 63 – Abr-Jun, 2014.

XAVIER, N.L.et al. Analisando as metodologias ativas na formação dos profissionais de saúde: uma revisão integrativa. S A N A R E, Sobral, V.13, n.1, p.76-83, jan./jun. - 2014 Disponível em https://www.sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/download/436/291. Acesso em 27.04.2019.

Publicado
2020-03-16
Seção
Relatos de Experiência