A FORMAÇÃO DOCENTE NA PRÁTICA ESCOLAR: A VISÃO DOS SUPERVISORES DO PIBID

Palavras-chave: Formação docente. Escola. Supervisores. PIBID.

Resumo

A presente pesquisa trata da formação docente na prática escolar, tendo em vista o trabalho dos professores supervisores participantes do Programa Institucional de Bolsa de iniciação à Docência (PIBID). O objetivo é analisar a compreensão dos supervisores do PIBID em relação à formação docente na prática escolar, considerando as avaliações que fazem sobre suas experiências e o alcance de suas realizações. A pesquisa foi feita por meio de entrevistas com os professores da educação básica que participaram do PIBID, sendo três supervisores do PIBID/Pedagogia, e dois do PIBID/Ciências Sociais. Constata-se que os supervisores consideram a experiência do PIBID importante para a sua formação e para os objetos da escola, ressaltando a importância do programa não somente na formação inicial, mas também na formação continuada dos professores em exercício. Consideram ainda que a escola não pode realizar o trabalho de formação docente sozinha e que a universidade não deve se eximir dessa tarefa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Alves França, Universidade Federal do Tocantins

Graduada em Pedagogia. Ex-bolsista do PIBID – Pedagogia Tocantinópolis. Professora da Rede Municipal de Educação de Tocantinópolis. 

Referências

ALARCÃO, I. (org.) et al. Formação reflexiva de professores – Estratégias de supervisão. Porto Editora, 1996.
ARTIOLI, C.L., ALMEIRA, J.S., LIMA, V.A. (org.) Contribuições do PIBID/UFT para a docência. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2011.
BORGES, C. T. O Professor Supervisor do PIBID: o que pensa, faz e aprende sobre aprofissão? Fortaleza. 2015. 109 f. Dissertação (Mestrado em Educação), Centro de Educação, Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza, 2015.
BRASIL. Decreto nº 7.219, 24 de junho de 2010. Lei que dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de junho de 2010.
COSTA, M.V. Feminização do magistério. In:OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.M.C.; VIEIRA, L.M.F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM
FCC/SEP. FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid). /GATTI, Bernardete A.; ANDRÉ, Marli E. D. A.; GIMENES, Nelson A. S.; FERRAGUT, Laurizete, pesquisadores. Textos FCC v. 41. São Paulo: FCC/SEP, 2014. 120p.
LOCATELLI, C. A Política Nacional de Formação Docente: o programa de iniciação à docência no contexto brasileiro atual. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 2, p. 308-318, maio/ago. 2018.
MATEUS, Elaine. Fernandes. Um Esboço Crítico Sobre “Parceria” na Formação de Professores. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.30|n.03|p.355-384|Julho-Setembro 2014.
ROMANELLI, Otaíza, O. História da educação no Brasil.:(1930/1973). 40. Ed. –Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.
SAVIANI, D. Formação de professores no brasil: dilemas e perspectivas. Poíesis Pedagógica - V.9, N.1 jan/jun.2011; pp.07-19.
TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, nº 14, mai/ago 2000. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a05 >.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Manual- Procedimentos internos do programa - Pibid/UFT. Palmas - TO, 2014
Publicado
2020-12-15
Seção
Artigos