PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: ABORDAGEM COMPARATIVA ENTRE VALORES DE CONTRIBUIÇÃO

Palavras-chave: Previdência Complementar. Renda. Aposentadoria.

Resumo

Este estudo destaca os planos de previdência complementar para recompor a renda, quando a capacidade de trabalho ativo reduzir, portanto, demonstra a importância de um plano de previdência complementar como alternativa de complementação de renda, visto que a expectativa de vida do brasileiro vem aumentando ao passar dos anos, as tecnologias têm tornado-o mais longeva e mesmo que a capacidade de gerar reservas financeiras seja possível, ainda assim deve-se pensar em como garantir um período mais tranquilo ou menos intranquilo quando a capacidade laborativa já não for a mesma. A atual crise previdenciária enfrentada pela sociedade brasileira e as prováveis reformas dão a sensação de que o cidadão trabalhará até chamada terceira idade. O indivíduo, ao aderir esse plano, tem como premissa básica a renda atualizada na data de sua aposentadoria. O presente estudo, na sua fundamentação teórica, aborda o crescente déficit na previdência oficial, assim como efetua explanação sobre o sistema de previdência complementar, com o objetivo mostrar a importância de um plano de previdência complementar como alternativa de complementação de renda. Nas simulações expostas, podemos observar que plano de previdência complementar na modalidade PGBL contribui para melhoria da renda.

Biografia do Autor

Marcos Antonio Dozza, Universidade Federal do Tocantins

Graduação em Ciências Econômicas. Mestrado em Administração. Professor da  Universidade Federal do Tocantins-UFT. 

Romening Ferreira Pimenta

Graduação em Administração e Ciências Econômicas. 

 

Gabriel Machado Santos, Universidade Estadual do Tocantins-Unitins

Graduação em Ciências Econômicas e Ciências Contábeis. Especialização em Gestão Estratégica em Inovação e Política Científica Tecnológica. Professor da Universidade Estadual do Tocantins-Unitins. 

Referências

BRASIL. Constituição Federal, 1988. República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. BRASIL. Ministério da Cultura. Consultoria Jurídica. Disponível em: . Acessado em 07 de Março de 2018.
BRASIL. Relatório do Ministério da Previdência Social. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2016/10/atuaprocont15spps.pdf. Acessado em 07 de Março de 2018
BRASILPREVI: Previdência Privada. 2018.
FRANÇA, L. H. F. P. O envelhecimento populacional e seu reflexo nas organizações: a importância da educação ao longo da vida. Boletim Técnico do Senac, 2011, 37.2: 49-60.
GIAMBIAGI, F. Reforma da previdência: o encontro marcado: a difícil escolha entre nossos pais ou nossos filhos. 2º ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
GIANNETTI, E. O valor do amanhã. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2012.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA. Taxa de fecundidade conforme região do país. IBGE, 2009.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Análise da estrutura da previdência privada brasileira: Evolução do aparato legal. IPEA,2004.
MARTINS, S. P. Instituições de direito público e privado. São Paulo: Saraiva, 2014.
PENA, R. A fiscalização da previdência complementar. Disponível em http://www.previdencia.gov.br/arquivos/office/4_101130-153919-067.pdf. Acessado em 07 de Março de 2018.
POVOAS, M. S. S. Previdência privada: Filosofia, fundamentos técnicos, conceituação jurídica. Rio de Janeiro: Funenseg, 1990.
SISTEMA EA DIGITAL.
SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. PREVIG.
SUPERINTENDENCIA DE SEGUROS PRIVADOS. Anuário estático da SUSEP (2013). Disponível em http://www.susep.gov.br/download/anuarios. Acessado em 07 de Março de 2018.
Publicado
2021-07-20
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO