TROCA DE CARTAS: PROTAGONISMO DO VELHO

Palavras-chave: Velhos. Cartas. Relações Sociais. Amizade.

Resumo

A velhice é uma fase da vida para ser vivida com significado e qualidade, para isso é preciso que o velho se mantenha ativo, com boa capacidade funcional, bom funcionamento físico e mental e que tenha um envolvimento ativo com a vida. Entende-se, então, que o bem-estar psicológico dos velhos está estritamente relacionado às relações sociais. Assim, os contatos sociais estimulam e podem dar significado à vida dos velhos, constituindo um incentivo para estar ativo, aspecto crucial para que tenham qualidade de vida. Com essa concepção, desenvolveu-se a atividade de troca de cartas entre os velhos da Universidade da Maturidade (UMA) de Palmas e os velhos da Universidade da Maturidade (UMA) de Araguaína. Atividade com objetivos de promover a comunicação e um processo de escuta mais aprofundado; desenvolver laços afetivos; estabelecer contato com a escrita e leitura, além de ser uma atividade que contribui para o exercício psíquico dos velhos. Conclui-se que a escrita de cartas para velhos é um exercício de memória que proporciona bem-estar, porque podem relatar para os novos amigos alegrias, tristezas e   preocupações. Percebeu-se laços de amizade sendo desenvolvidos quando se ouviu o outro, quando o texto levava o conforto de uma palavra amiga, quando o texto acolheu o amigo, como um abraço. Dessa forma, partilhando sentimentos e emoções com outras pessoas, que se tornaram amigos, entende-se que essa atividade pode dar sentido a vida dos velhos, auxiliar a torná-los protagonistas das suas relações sociais com acadêmicos de outros polos da Universidade a Maturidade. 

Biografia do Autor

Silvanis dos Reis Borges Pereira, Universidade Estadual do Tocantins (Unitins)

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Tocantins. Pedagoga com especialização em Psicopedagogia e Educação Religiosa. Professora na Universidade Estadual do Tocantins (Unitins). 

Neila Barbosa Osório, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Pós Doutora. Professora Associada do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Coordenadora Nacional da Universidade da Maturidade (UMA). Pesquisadora membro dos Grupos de Pesquisa Pro-gero e História, historiografia e fontes de pesquisa em educação. 

Luiz Sinésio Silva Neto, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Pós-doutor em Saúde pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Docente Adjunto do Curso de Medicina da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Coordenador e docente do Programa Universidade da Maturidade (UMA). Líder do Grupo de Pesquisa Pro-gero - Envelhecimento Humano. 

Referências

ANDRADE, G. B. de &VAITSMAN, J. (2002). Apoio social e redes: conectando solidariedade e saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 7 (4), 925-934.

ARAUJO. Ludgleydson F. de; COUTINHO, Maria da Penha de Lima; CARVALHO, Virgínia Angela M. de Lucena. Representações sociais da velhice entre idosos que participam de grupos de convivência. Psicologia Ciência e Profissão, 2005.

ARGYLE, M. The psychology of happiness. New York: Routledge/Taylor & Francis. 2001.

BACELAR, R. Envelhecimento e produtividade: processos de subjetivação. Recife, FASA, 2002.

BOWLING, A. & BROWNE, P.D. (1991). Social networks, health, and emotional well-being among the oldest old in London.JournalofGerontology, 46(1): S20-32.

BRASIL. Estatuto do Idoso. Brasília: Presidência da República, 2003.

CARSTENSEN, L.L. (2006). The Influence of a Sense of Time on Human Development. Science, 312(5782), 1913-1915.

CRESWEL, J. W. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CARVALHO FILHO, Eurico Thomaz & PAPALÉO NETTO, Matheus. Geriatria:fundamentos clínicos e terapêutica. São Paulo: Atheneu, 2000.

DEBERT, G. G. (1999). A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Universidade de São Paulo/Fapesp. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/2153/38-resenhas-goncalvesm.pdf. Acessado em: 02/10/2018.

DIENER, E., Suh, E. M., LUCAS, R. E., & SMITH, H. L. (1999). Subjective well- being: Three decades of progress. Psychological Bulletin, 125, 276-302. Disponível em: http://dipeco.economia.unimib.it/persone/stanca/ec/diener_suh_lucas_smith.pdf. Acessado em: 30/09/2018.

DRESSLER, W. W.; BALIEIRO, M. C. &SANTOS, J. E. (1997). The cultural construction of social support in Brazil: Associations with health outcomes. Culture, Medicine andPsychiatry, 21, 303-33

ERBOLATO, RMPL. Relações sociais na velhice. In: Freitas, EV. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 1324-1331.

FABIETTI, D. M. C. F. Cuidando do Idoso: a saúde e a doença. In: GONÇALVES, R. P. Envelhecer Bem, Recriando o Cotidiano. Rio de Janeiro: Aquariana, 2010.

FERREIRA, J.M., CUNHA, N.C.V., & MENUT, A.Z.C. (2010, janeiro/abril). Qualidade de vida na Terceira Idade: um Estudo de Caso do SESC Alagoas. Revista Gestão, 8(1), 118135. Disponível em: http://www.ufpe.br/gestaoorg/index.php/gestao/article/view/23. Acessado em: 02/10/2018.

FREIRE, S. A. (2000). Envelhecimento bem-sucedido e bem-estar psicológico. Em: A. L. Neri & S. A. Freire (Orgs.). E por falar em boa velhice (pp. 21-31). Campinas: Papirus.

FREIRE, S. A. &SOMMERHALDER, C. (2000). Envelhecer nos Tempos Modernos. Em: A. L. Neri & S. A. Freire (Orgs.). E por falar em boa velhice (pp. 125-135). Campinas: Papirus.

GARCIA, A. &LEONEL, S. B. (2007). Relacionamento interpessoal e terceira idade: a mudança percebida nos relacionamentos com a participação em programas sociais para a terceira idade. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2(1), 130-39.

GONZÁLEZ, N.M. (1993). Symposium de calidad de vida: generalidades, mediciones utilizadas en medicina, elementos que la componen. Archives Reumatology, 4(1), 40-2.

HADDAD, E. A ideologia da Velhice. São Paulo, Editora Cortez, 1986.

LEPP, Ignace. La Comunicación de existências. Buenos Aires Ediciones.1964.

JUSTO, J.S.; ROZENDO, A.da S. & CORREA, M.R. (2010). O idoso como protagonista social. In: A Terceira Idade, 21(48), São Paulo: 39-53.

LIMA, L. D., LIMA D. V. A. M. & RIBEIRO G. C. (2010). Envelhecimento e qualidade de vida de idosos institucionalizados. RBCEH. 7, (3) 346-356.

MEDEIROS, Aline Carolina. Qualidade de Vida: Um desafio para os aposentados da CELESC. Trabalho de Conclusão de Curso – Serviço Social. UFSC, 1999. MESSY, Jack. A pessoa idosa não existe. Uma abordagem psicanalítica da velhice. São Paulo: Aleph, 1999.

MESSY, J. A pessoa Idosa e a ação pedagógica do trabalho social com idosos. A Terceira idade. V.18. n.39. 2007.

MINAYO, Maria Cecília S.; HARTZ, Z.M.A; BUSS, P.M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência e Saúde Coletiva, v.5, nº1, pp.7-18, 2000.

NEFF, Max. Necessidades e Qualidade de Vida. S/Cidade, s/editora. 1986.

NERI, Anita L. Palavras-chave em gerontologia. Campinas: Alínea, 2008.

_________. (Org.). Qualidade de Vida e Idade Madura. Campinas: Papirus, 1993.

OSORIO, Neila B. projeto politico pedagógico. UMA, Palmas, TO. 2012.

OLIVEIRA, R.M.J. Efeitos da prática de reiki sobre aspectos psicobiológicos e de qualidade de vida de idosos com sintomas de estresse: estudo placebo e randomizado. São Paulo. 2013. Tese de Douturado. Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia.

PINHEIRO, S. Q; ELALI, G.A (2011). Comportamento socioespacial humano. In S. CAVALCANTI e G,A ELALI (orgs), Temas básicos em psicologia Ambiental (PP.144-158). Petropolis: Vozes. 2011.

PIAGET, J. Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

RAMOS, M. (2002). Apoio Social e Saúde entre idosos. Sociologias.

SAMORANO, C. ; CONTAIFER, J. Estudos confirmam: amizades virtuais não substituem as da vida real.Disponível em: https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2014/07/15/noticias-saude,192050/estudos-confirmam-amizades-virtuais-nao-substituem-as-da-vida-real.shtml. Acessado em: 04 out. 2018.

SELIGMAN, M.E.P., & CSIKSZENTMIHALYI, M. (2000). Positive psychology. American Psychologist, 55(1), 5-14. Disponível em: http://psycnet.apa.org/index.cfm?fa=buy.optionToBuy&id=2005-08033-003. Acessado em: 30/09/2018.

SILVA, CA, Menezes, MR, Santos, ACPO, Carvalho, LS, Barreiros, EX. Relacionamento de amizade nainstituição asilar. Revista Gaúcha Enfermagem. 2006;27(2): 274-283.

SILVA ACS, SANTOS I. Promoção do autocuidado de idosos para o envelhecer saudável: aplicação da teoria de Nola Pender. Texto Contexto Enferm. 2010. Disponível em: Acesso 02/10/2018. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072010000400018.

SOUZA, LK, Hutz, CS. Relacionamentos pessoais e sociais: amizade em adultos. Psicologia em estudo. 2008; 2: 257-265.

VIEIRA, M. M. F. e ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

Publicado
2022-05-12
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO