O IMPACTO DA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES EDUCATIVAS EM GRUPO NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS REFERIDOS POR PARTICIPANTES DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE

Palavras-chave: Universidade Aberta à Terceira Idade. Depressão. Educação Alimentar e Nutricional.

Resumo

Atividades educacionais de promoção da saúde com idosos podem ajudar na prevenção e tratamento da depressão. Objetiva-se identificar o impacto de atividades educativas em grupo nos sintomas depressivos referidos por idosos. É um estudo com delineamento quase experimental, onde sete voluntárias participaram de oito oficinas de educação alimentar e nutricional. A avaliação das participantes ocorreu antes do início das oficinas, após quatro oficinas e após o término das oito oficinas. Na avaliação dos sintomas depressivos foi utilizada a Escala de Depressão Geriátrica. As diferenças entre os grupos pré e pós intervenção foram estimadas pelo teste de Wilcoxon. Após quatro oficinas o número médio de sintomas depressivos das participantes passou de 3,0 (dp=2,6) para 2,0 (dp=1,52), e após as oito oficinas o número médio foi reduzido à 1,42 (dp=1,81). Entretanto, não há diferença estatisticamente significativa. Tais resultados apontam possível impacto positivo da intervenção.

Biografia do Autor

Fernanda Freitas Pereira, Universidade Federal de Alfenas

Graduanda em Nutrição, Universidade Federal de Alfenas. 

Thaís Moreira Machado, Universidade Federal de Alfenas

Graduanda em Nutrição, Universidade Federal de Alfenas. 

Alice Helena de Souza Paulino, Universidade Federal de Alfenas

Doutora em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Alfenas.

Bruno Martins Dala Paula, Universidade Federal de Alfenas

Doutor em Ciências de Alimentos, Universidade Federal de Alfenas.

Tábatta Renata Pereira de Brito, Universidade Federal de Alfenas

Doutora em Enfermagem na Saúde do Adulto, Universidade Federal de Alfenas.

Referências

APA. American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM¬5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª edição, Brasília, 2014. 156 p.
CACHIONI, Meire et al. Bem-estar subjetivo e psicológico de idosos participantes de uma Universidade Aberta à Terceira Idade. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2017 v. 20, n. 3, p. 340-351.
DIAS, Juliane Cristine et al. Effects of a Health Education program on cognition, mood and functional capacity. Rev. Bras. Enferm., Brasília, Ago 2017, v. 70, n. 4, p. 814-821.
FERREIRA, Olívia Galvão Lucena et al. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm. Florianópolis, Jul-Set 2012, v. 21, n. 3, p. 513-518.
GUIMARÃES, Milena Santana et al.Atividade de Extensão Como Proposta Para a Promoção do Envelhecimento Saudável. Congresso Internacional de Envelhecimento Humano. Out. 2017.
HOFFMAN, Leonardo et al. Extensão universitária com idosos de unidade básica de saúde de Biguaçu, Santa Catarina: vivência de acadêmicos de educação física. Em Extensão. Uberlândia. Jul/Dez 2017. v. 16, n. 2, p. 202-212.
KISSAKI, Priscilla Tiemi et al. O impacto da participação em Universidade Aberta à Terceira Idade no desempenho cognitivo. Revista Kairós: Gerontologia.Mai 2013, v. 15, p. 71-87.
LOUREIRO, Armando Paulo Ferreira, ESTEVES, T. A universidade sénior como espaço de aprendizagem, socialização e envelhecimento ativo: o estudo exploratório de um caso. In: J. Pereira, M. Lopes, & T. Rodrigues (Eds.), Animação Sociocultural, Gerontologia e Geriatria. A intervenção social, cultural e educativa na terceira idade (pp. 85–91). Chaves: Intervenção. 2013.
MARTINS, Rita de Cássia Cabral de Campos, CASETTO, Sidnei José, GUERRA, Ricardo Luís Fernandes. Mudanças na qualidade de vida: a experiência de idosas em uma universidade aberta à terceira idade. Rev. bras. geriatr. gerontol. Rio de Janeiro 2019, v. 22, n. 1, e180167, 2019.
OMS. Organização Mundial de Saúde. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. OMS: Suíça, 2015. Disponível em: . Acesso em: < 22 de Janeiro de 2020>.
ONGARATTO, Geisa Locatelli, GRAZZIOTIN, Jucelaine Bier Di Domenico Grazziotin, SCORTEGAGNA, Silvana Alba. Habilidades Sociais e Auto Estima em Idosos Participantes de Grupos de Convivência. Psicologia em Pesquisa. Juíz de Fora. Jul/Dez 2016, v. 10, n.2. p. 12-20.
ORDONEZ, Tiago Nascimento., BATISTONI, Samila Sathler Tavares, CACHIONI, Meire. Síntomas depresivos en adultos mayores participantes de una universidad abierta a la tercera edad. Rev Esp Geriatr Gerontol. 2011, v. 46, n. 5, p. 250-255.
PAIXÃO, Yasmin Alves. et al. Declínio cognitivo e sintomas depressivos: um estudo com idosos da universidade da maturidade. Revista Humanidades e Inovação. 2019, v.6, n.11, p. 120-7.
PARADELA, Emylucy Martins Paiva, LOURENÇO, Roberto Alves, VERAS, Renato Peixoto. Validação da Escala de Depressão Geriátrica em Ambulatório Geral. Revista de Saúde Pública. 2005, v. 39, n. 6, p. 918-923.
PILGER, Calíope et al. Atividades de Promoção a Saúde Para um Grupo de Idosos: Um Relato de Experiência. Revista de Enfermagem e Atenção a Saúde [Online]. Ago/Dez 2015, v. 4, n. 2, p. 93-99.
POLYAKOVA, Maryna et al. Prevalence of minor depression in elderly persons with and without mild cognitive impairment: a systematic review. J Affect Disord. 2014, v. 152, n. 1, p. 28-38,. doi: 10.1016/j.jad.2013.09.016.
SHEIKH, Javaid I, YESAVAGE, Jerome A. Geriatric depression scale (GDS). Recent evidence and development of a shorter version. Clinical Gerontologist. 1986, v. 5, n. 1, p. 165–173. doi: 10.1300/J018v05n01_09.
Publicado
2021-07-20
Seção
ARTIGOS DE FLUXO CONTÍNUO