RELATO DE EXPERIÊNCIA DE PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL II EM UM PROJETO DE EXTENSÃO

  • Denyse Mota Silva Universidade Estadual do Tocantins/Câmpus Araguatins
  • Rosana Quadros Santos Leite Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Jeiciane Soares da Silva Bispo Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Ana Clara de Oliveira Lopes Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Nayanne Viana de Oliveira Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Thaysi Silva de Oliveira Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Jessica Pereira Santos Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Dhalilla Ruamma Barros da Silva Dias Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Marcos Smith Aquino de Sousa Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
Palavras-chave: Letramento. Prática Pedagógica. Língua Portuguesa. Formação Docente.

Resumo

O propósito deste trabalho é relatar uma experiência de formação docente inicial em um projeto de extensão intitulado Oficina de Letramento: práticas de leitura e escrita no Ensino Fundamental II, realizado como uma ação vinculada ao Curso de Licenciatura em Letras Língua Portuguesa/Espanhola da UNITINS/Araguatins. O objetivo é contribuir na formação complementar das alunas-estagiárias do curso através da realização de oficinas de letramento com alunos do 6º ano, tratando sobre letramento, práticas de leitura e escrita, elaborando materiais pedagógicos para a atuação profissional futura. Para o desenvolvimento metodológico pauta-se em uma pesquisa campo, com abordagem qualitativa. Constitui-se por propostas  cooperativas,  interdisciplinar, possibilitando o diálogo entre os estudos teóricos da universidade e a prática pedagógica da sala de aula, coadunando com a própria metodologia do letramento. A partir do desenvolvimento parcial é possível perceber alguns avanços nos aprendizados docentes e alunas-estagiárias, reconhecendo os atores do processo como agentes de letramento. Ressalta-se, entretanto, a reflexão na tomada de consciência quanto à prática pedagógica e suas adversidades e desafios na rotina escolar, especificamente, aquelas relacionadas às aprendizagens da leitura e escrita dos que não avançam em suas habilidades.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denyse Mota Silva, Universidade Estadual do Tocantins/Câmpus Araguatins

Doutora em Letras e Literatura pela Universidade Federal do Tocantins – UFT. Professora da Universidade Estadual do Tocantins-Unitins, Câmpus de Araguatins-TO. Atualmente tem atuado nas áreas de Leitura, Produção textual, Interpretação, Metodologia Científica e Orientação e Projetos de pesquisa em Letramentos.

Rosana Quadros Santos Leite, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Especialista em Língua portuguesa e Literatura pela FAPAF. Graduada em Letras pela UFT câmpus Araguaina-TO.

Jeiciane Soares da Silva Bispo, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduanda em Letras com habilitação em espanhol pela UNITINS câmpus Araguatins-TO.

Ana Clara de Oliveira Lopes, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduanda em Letras com habilitação em espanhol pela Unitins - câmpus Araguatins-TO.

Nayanne Viana de Oliveira, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduanda em Letras com habilitação em espanhol pela Unitins - câmpus Araguatins-TO.

Thaysi Silva de Oliveira, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduanda em Letras com habilitação em espanhol pela Unitins -  câmpus Araguatins-TO.

Jessica Pereira Santos, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduanda em Letras com habilitação em espanhol pela Unitins - câmpus Araguatins-TO.

Dhalilla Ruamma Barros da Silva Dias, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduanda em Letras com habilitação em espanhol pela Unitins - câmpus Araguatins-TO.

Marcos Smith Aquino de Sousa, Universidade Estadual do Tocantins - Unitins

Graduando em Letras com habilitação em espanhol pela UNITINS câmpus Araguatins-TO.

 

Referências

ALMEIDA FILHO, N.; ROUQUARYOL, M. Z. Introdução à epidemiologia. 3. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2002.

BERTOLOTE, Dr. J.M (coord.). Transtornos Mentais e Comportamentais: departamento de saúde mental. Organização Mundial da Saúde. Genebra, 2000.

ESPINOSA, A.F. Psiquiatria: guia prático de enfermagem. Mc Graw-Hill, 200

GIL, A. C. Métodos e técnicas em pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 2.000.

SANTOS, S. A. et al. Prevalência de transtornos mentais nas tentativas de suicídio em um hospital de emergência no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, v.25, n.9, p. 2064-2074, jan./set.2009.
SILVA, N. G.; SILVA, P. P.; OLIVEIRA, A. G. B.. A percepção dos trabalhadores de enfermagem sobre a assistência à saúde mental em hospital universitário. Revista Ciência e Saúde. V. 11 n. 2. 2012. Disponível em:http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/11181/pdf.Acesso em:02 nov.2013.
STEFANELLI, M. C.; FUKUDA, I. M.K. ARANTES, E.C. Enfermagem Pisquiátrica em suas Dimensões Assitenciais. São Paulo: Manole, 2001
SKOGMAN, K.; ALSÉN, M.; ÖJEHAGEN, A. Sex differences in risk factors for suicide after attempted suicide: a follow-up study of 1052 suicide attempters. Soc. Psychiatry Pschiatr. Epidemiol., v.39, n.2, p.113-120, 2004.
TOWNSEND, M. C. Enfermagem Psiquiátrica: cocneitos de cuidados. Rio de Janieor: Guanabara Koogan, 2002
WERLANG, B.S.G.; BORGES, V.B.; FENSTERSEIFER, L. Fatores de risco ou proteção para a presença de ideação suicida na adolescência. Ver. Interam. Psicol., v. 39, n. 2, p. 259-266, 2005.
Publicado
2019-03-13
Seção
Relatos de Experiência