SAÚDE MENTAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

  • Dayane Nunes Rodrigues Unitins
  • Mirian Dorneles dos Santos Monteiro Unitins
Palavras-chave: Saúde Mental. Adolescentes. Depressão.

Resumo

O presente trabalho busca desmistificar o tema Saúde Mental na Adolescência, trazendo à baila assuntos relegados ao esquecimento por padrões sociais adotados pela sociedade. Este tema é de fundamental importância na contemporaneidade, considerando que há um acentuado aumento no índice de depressão entre jovens e adolescentes de 15 a 29 anos, que têm suas principais causas relacionadas às experiências de violência, condições de pobreza, rompimentos de vínculos familiares, mortes e doenças crônicas, observadas suas condições de vida e relações sociais. Dessa forma, nosso objetivo principal é sensibilizar a população alvo quanto aos perigos da falta de prevenção à saúde mental, buscando uma reflexão sobre a percepção dos jovens e adolescentes quanto às consequências do adoecimento mental e da depressão. Metodologicamente, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, cotejando os assuntos pertinentes a nossa linha de pesquisa, subsidiando o desenvolvimento de ações como rodas de conversas, proporcionando reflexão aos participantes sobre sua realidade e percepção sobre o tema abordado. A partir de ações focais, houve um aumento substancial na procura por informações e esclarecimentos junto ao corpo diretivo das escolas e por parte dos adolescentes, demonstrando a efetividade das ações desenvolvidas no escopo do projeto, e uma acentuada diminuição nos índices de violência dentro dos espaços escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane Nunes Rodrigues, Unitins

Acadêmica do curso de graduação em Serviço Social da Universidade Estadual do Tocantins - Unitins.

Mirian Dorneles dos Santos Monteiro, Unitins

Assistente Social, Professora do Curso de Graduação em Serviço Social da Universidade Estadual do Tocantins – Unitins, Mestre em Ciências do Ambiente. 

Referências

AGOSTINI, M. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface 18 (supl2), Jan. 2015.

FILHO, E.S.S.; CORREIA, L.C.S.; LIMA, P.R.; GOMES, H.; JESUS, A.G. O suicídio no Estado do Tocantins. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 11, n. 12, p. e712, 8 jul. 2019. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/vie w/712/513

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 18. Ed. São Paulo, Cortez; [Lima, Peru]: CELATS, 2005.

LIMA, M. G. B; MOURA, A. B. F. A reinvenção da roda: roda de conversa, um instrumento metodológico possível. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 5, n. 15, p. 24-35, 2014.

MÉLLO, R. P. et al. Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa. Psicologia e Sociedade, v. 19, n. 3, p. 26-32, 2007.

OMS. (Organização Mundial de Saúde). Folha informativa Suicídio. In OPAS Brasil. Disponível em:
https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5671:folha-informativasuicidio&Itemid=839 2018.


SILVA, N. G., OLIVEIRA, J. A. Acolhida inicial e escuta qualificada: dimensão essencial em meio ao trabalho do CREAS. In: Seminário Integrado no Centro Universitário Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente, 8(8), 2014. Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/SemIntegrado/article/view/4633/4395 Acesso em: 18 jan. 2021.

SOUSA, C. A prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção profissional. Emancipação, Ponta Grossa, 8(1): 119-132, 2008. Disponível em: http://www.uepg.br/emancipacao. Acesso em: 15 mar. 2020.

WARSCHAUER, C. Rodas em rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2001.

______. A roda e o registro: uma parceria entre professor, aluno e conhecimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
Publicado
2021-06-16
Seção
Relatos de Experiência