AVALIAÇÃO DA QUALIDADE HÍDRICA DA REGIÃO DO QUILOMBO BARRA DO AROEIRA COMO INDICATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

Palavras-chave: Atividades agroeconômicas., Bacia hidrográfica., Saneamento., Sustentabilidade., Uso e ocupação do solo.

Resumo

O manejo sustentável dos recursos hídricos é fundamental para a conservação dos ecossistemas e para a manutenção da ordem social perante as atividades antrópicas. Com o processo de urbanização e expansão da área em que está localizado o Quilombo Barra do Aroeira, município Santa Tereza – Tocantins, na Bacia Hidrográfica do Rio Balsas e São Valério, passou a apresentar entraves relacionados ao manejo adequado e compatível considerando a infraestrutura da água demandada pela comunidade. O estudo objetivou verificar a disponibilidade hídrica da região como indicativo de uso e ocupação do solo. Avaliando a forma que certas ações socioeconômicas e/ou agroambientais ocorrem no Quilombo percebeu-se a influência destas nos compartimentos ambientais o que provoca alterações de ordem física, química e biológica. Por isso, realizou-se análises físico-químicas e microbiológicas em amostras nos corpos hídricos de uso direto, necessários para as atividades da comunidade, bem como mapeamento destes pontos estratégicos. Os resultados laboratoriais apresentaram índices de contaminação e poluição hídrica e, assim, não atendem os padrões de potabilidade estabelecidos pela Portaria de Consolidação do MS 005/2017, ademais, para os diversos usos, as Resoluções Conama nº 357/2005 e nº 430/2011. Afinal, prospectou-se a ocupação deste ambiente de forma sistêmica e sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Almeida do Vale, Unitins

Acadêmica do curso de graduação em Engenharia Agronômica da Universidade Estadual do Tocantins.

José Luiz Cabral da Silva Júnior, Unitins

Doutor Agrometeorologia. Professor do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Estadual do Tocantins.

Renato Eurípedes Nascimento Júnior, Unitins

Especialista Ecologia dos ecossistemas e Saúde Pública. Professor do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Estadual do Tocantins.

Aymara Gracielly Nogueira Colen, Unitins

Mestre em Recursos Energéticos. Professora (Voluntária) do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Estadual do Tocantins – Unitins.

Referências

APHA. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater (2005).

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Publicado no D.O.U de 17/02/86.

BRASIL. Resolução CONAMA N° 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento. Disponível: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/ res05/res35705.pdf. Acesso em: 15 nov. 2020

BRASIL. Resolução CONAMA N° 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n°430;2011 Disponível: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646. Acesso em: 15 nov. 2020

BRASIL. Portaria Ministério de Consolidação do Ministério da Saúde no 005, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Disponível: .Acesso em: 15 dez. 2018.

BRASIL. Lei Nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Disponível: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9433.htm>.Acesso em: 15 dez. 2018.

CETESB. COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Guia nacional de coleta de preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidas. Brasília, DF: ANA; São Paulo: CETESB, 2012. 327 p. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gpv.br/ userfiles/file/laboratorios/publicacoes/guia-nacional-coleta-2012.pdf. Acesso em: 26 fev. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Áreas territoriais. Rio de Janeiro. (2018).

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos / Humberto Gonçalves dos Santos … [et al.]. – 5. ed., rev. e ampl. − Brasília, DF: 356 p. : il. color.. ISBN 978-85-7035-800-4. 2018.

TOCANTINS. Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. O presente documento apresenta o Relatório Final, com a síntese do Plano Diretor das bacias Balsas e São Valério, elaborado no âmbito do contrato 150/2009. 2011. Plano de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas dos Rios das Balsas e São Valério, [S. l.], junho, 2011.
Publicado
2021-06-16
Seção
Relatos de Experiência