EDUCAÇÃO MÉDICA: PJTC - UMA ESCOLHA NA VIDA ACADÊMICA E AS REFLEXÕES DO IMPACTO DA COVID -19 NA FORMAÇÃO MÉDICA

  • Sandra Márcia Carvalho de Oliveira Universidade Federal do Acre
  • Isabel Neto Universidade da Beira Interior
  • Carlos Fernando Collares Universidade de Maastricht
  • Maria Aparecida Buzinari de Oliveira Universidade Federal do Acre
Palavras-chave: COVID-19. Sars-CoV-2. Medicina Paliativa. Fechamento de escolas médicas.

Resumo

Objetivo: Relatar a experiência em medicina paliativa dos acadêmicos integrantes do Programa Jovens Talentos da Ciência (PJTC) e refletir sobre o impacto, na formação médica, do fechamento das Universidades em todo o mundo; em decorrência da Pandemia da COVID-19. Métodos: Relato de experiência e registro em diário de campo de visitas domiciliares, visitas hospitalares, roda de conversa, palestras e seminário. Resultados: Foram realizadas vinte visitas ao Hospital da Criança, cinco workshops, doze visitas domiciliares e um seminário. Conclusões: O fator diferenciador da experiência no programa PJTC foi a observação da existência de um lado de uma maior facilidade de comunicação das acadêmicas com os pacientes e do outro lado a satisfação por parte dos pacientes em relação aos cuidados prestados pelas acadêmicas. A atual pandemia de Covid-19 não apenas restringiu massivamente a normalidade da vida, mas está tendo um efeito significativo no ensino universitário. Espera-se um impacto negativo, da solidão, da dor e do sofrimento psicológico na educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Márcia Carvalho de Oliveira, Universidade Federal do Acre

Professora Associada do Curso de Medicina e Direito da Universidade Federal do Acre (UFAC). Médica Especialista em Medicina da Família e Comunidade. 

Isabel Neto, Universidade da Beira Interior

Professora doutora do Curso de Doutorado em Medicina da Universidade da Beira Interior - Covilhã, Portugal. 

Carlos Fernando Collares, Universidade de Maastricht

Professor doutor do Curso de Medicina da Universidade de Maastricht. Holanda. 

Maria Aparecida Buzinari de Oliveira, Universidade Federal do Acre

Pesquisadora Colaboradora da Universidade Federal do Acre. 

Referências

ABEM – Associação Brasileira de Educação Médica. Projeto ABEM 50 anos – dez anos das diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. 2012. Disponível em: http://www.abemeducmed.org.br/pdf/50 anos Acesso em : 30 maio 2020.

ALVES A. A humanização e a formação médica na perspectiva dos estudantes de medicina da UFRN – Natal-RN – Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, v.33, n.4, p.555-561, 2009.

BAYHAM, J et al; Impacto do fechamento de escola para COVD-19 na força de trabalho de cuidados de saúde dos EUA e na mortalidade líquida: um estudo de modelagem. Lancet Saúde Pública, v.5, n.5, p.e271- e278. 2020.

BEDFORD, J et al; COVID-19: para controlar uma pandemia. Lanceta. 2020.

KAFKA AC. Choque, medo e fatalismo: quando o coronavírus pede que as faculdades fechem, os alunos se debatem com a incerteza. https://www.chronicle.com/article/Shock-FearFatalism-As/248240 O Crônico do Ensino Superior. 2020.

KATIRJI L et al; Enfrentando os desafios na obtenção de rotações fora de medicina de emergência e carta de avaliação padronizadas devido à pandemia do COVID-19. West Journal Emergence Medicine, v.21, n.3, p. 538-541. 2020.

KIRKPATRICK, D. The Kirrkpatrick Model, 2005. Disponível em: http://www.kirkpatrickpartenrs.com/model1/. Acesso em 30 maio 2020.

LAU J., et al; O coronavírus tornará a educação on-line viral? [Mar; 2020]. https://www.timeshighereducation.com/features/will-coronavirus-make-online-education-go-viral Times Higher Education. 2020.

LOPES AA. Medicina Baseada em Evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Revista da Associação Médica Brasileira, v.46, n.3, p. 285-288. 2000.

LUCA GD et al; O impacto do fechamento regular da escola nas epidemias sazonais de influenza: um modelo de transmissão espacial baseado em dados para a Bélgica. BMC Infect Dis. 2018; 18 :29.

MS – Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Documento-base. Brasília, 2006.

NEVES, SAVM et al; Humanização em saúde – Medilhaço iniciando no paliativismo. Revista Movimenta, v.10, n. 1, p. 21-31, 2017.

NEVES, SAVM et al; Estudo sobre o ensino de uma formação médica mais humana. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v.37, n.2, p.39-46. 2016.

OLIVEIRA, SMC. Educação Médica: a medicina paliativa e a higienização das mãos e o seu papel na pandemia da COVID-19. Revista Humanidades e Inovação, v.7, n.8, p. 587-594. 2020.

OLIVEIRA, SMC. Educação Médica: o ensino de medicina paliativa. Revista Humanidades e Inovação, v.4, n.2, p. 209- 216. 2017.

OLIVEIRA, SMC et al; Cuidados paliativos: Prevalência de fadiga em pacientes pediátricos. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v.15, n.4, p.240-245, 2017.

ROGER C. Liberdade de aprender em nossa década. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1986.

WHO – World Health Organization. Definition of palliative care, 2002. Disponível em http://www.who.int/cancer/palliative/definition/en acessado em 30 de maio.

SPURLOCK, DJ. Bolsa de estudos durante uma pandemia: análise de dados secundários. Revista de Educação em Enfermagem, v.59, n.5, p.245-247. 2020.

UNESCO. COVID-19 Ruptura e resposta educacional. [Maio; 2020]; https://en.unesco.org/themes/education-emergencies/coronavirus-school-closures 2020.
Publicado
2020-07-16
Seção
Relatos de Experiência