METODOLOGIAS PARTICIPATIVAS NO ENSINO DE FILOSOFIA: UMA ABORDAGEM INTERCULTURAL NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Palavras-chave: Gênero. Cultura Pop. Formação Docente. Pesquisa-ação.

Resumo

O projeto de extensão “As tecnologias na formação do pedagogo e nos anos iniciais: artes de fazer e fazer-se professor 2019” realizou-se com professora e alunos do ensino médio da CE Nilo Peçanha, em São Gonçalo-RJ. Desenvolvemos abordagens participativas envolvendo professora universitária, estudante de Pedagogia, professora de Filosofia e sessenta e nove adolescentes para reflexões iniciais sobre a temática de gênero.  A proposta teve a mulher na Filosofia e a Cultura Pop como pontos de partida para abordarmos a violência e o respeito à diversidade. Articulamos a extensão com uma pesquisa de mestrado profissional assumindo pressupostos da educação intercultural (CANDAU, 2008 e 2012), princípios da pesquisa-açāo (FAGUNDES, 2016) e da Tecnologia Social (ITS, 2004; COSTA e JESUS, 2013), a abordagem de projetos (HERNANDEZ e VENTURA, 1998) e os conceitos filosóficos de racismo epistêmico (NOGUEIRA, 2014); construção social dos gêneros (BEAUVOIR, 2009); interseccionalidade (DAVIS, 2016) e cultura pop (SOARES, 2014). As atividades se deram por construção coletiva dialogando com o currículo mínimo do Estado do Rio de Janeiro.  Ressaltamos a importância do diálogo entre a universidade e a escola, através de projetos de formação inicial e continuada de professores, com a presença da discussão intercultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rejany dos Santos Dominick, Universidade Federal Fluminense - UFF

Doutora e professora da Universidade Federal Fluminense, Niterói/RJ, Brasil. 

Juliana da Silva Gama, Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro e Mestrado Profissional em Diversidade e Inclusão

Mestranda do CMPDI - IBio - UFF e professora do ensino médio no Estado do Rio de Janeiro (C. E. Nilo Peçanha).

Milene Bernardes Corrêa, Faculdade de Educação da UFF e ProEx-UFF

Estudante de Pedagogia e Bolsista de Extensão na Universidade Federal Fluminense.

Referências

BEAUVOIR, S. de. O segundo sexo. 2. Ed. R.J.: Nova Fronteira, 2009.

BRASIL. Ciências humanas e suas tecnologias. Brasília: Mec/Seb, 2006 (Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio; volume 3).

CANDAU, V. M; F.. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 118, p. 235-250, jan.-mar. 2012. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br>

CANDAU, V. M. F.. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação. v. 13 n. 37 jan./abr. 2008.

CHAUÍ, M.. Convite à filosofia. S. P.: Ática, 2000.

CORRÊA M. B. e GAMA, J.. A mulher na filosofia e na Cultura Pop: uma reflexão sobre a violência e respeito a diversidade, 2019. Projeto na escola. Disponível em<https://docs.google.com/document/d/14fbhKMtRmZqXxV21HJfWUN5wkylN-ZpvvqR244O2TsY/edit?usp=drivesdk>.

COSTA, A. B. e JESUS, V. M. B. de. Tecnologia social: breve referencial teórico e experiências ilustrativas. In: COSTA, Adriano Borges, (Org.). Tecnologia Social e Políticas Públicas. São Paulo: Instituto Pólis; Brasília: Fundação Banco do Brasil, 2013. (pp. 17 - 31).

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. S.P.: Boitempo, 2016.

DOMINICK, R. dos S. As “artes de fazer”, de usar e recriar tecnologias nos anos iniciais da educação básica 2019. Protocolo do SIGProj: 318869.1760.28426.14012019. Universidade Federal Fluminense. Disponível em http://sigproj.ufrj.br/apoiados.php?projeto_id=318869.

DOMINICK, R. dos S. As tecnologias na formação do pedagogo e nos anos iniciais: artes de fazer e fazer-se professor 2019. Protocolo do SIGProj 318868.1760.28426.15012019.

FAGUNDES, T. A.. Os conceitos de professor pesquisador e professor reflexivo: perspectivas do trabalho docente. Revista Brasileira de Educação. v.21 n.65 abr./jun. p. 281-298. 2016.

FRIEDAN, B.. A mística feminina. R. J.: Vozes Ilimitada, 1963.

HERNÁNDEZ, F, e VENTURA M.. A organização do currículo por projetos de trabalho. 5. Ed. Porto Alegre: Artes Médicas,1998.

ITS (Instituto de Tecnologia Social). Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. In: ITS. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro: 2004. (pp. 117-133). Disponível em: <http://www.itsbrasil.org.br/infoteca/tecnologia-social/tecnologia-social-uma-estrategia-para-o-desenvolvimento>. Acesso em: 15 Out 2013.

NOGUEIRA, R.. O ensino da filosofia e a lei 10.639. R.J, Pallas: Biblioteca Nacional, 2014.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: Nóvoa, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, pp. 79-91.

SEEDUC - Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro. Currículo Mínimo 2012: Filosofia. 2012. Disponível em. Consulta em: 26/03/2019.

SOARES, T.. Abordagens teóricas para o estudo sobre cultura pop. Revista Logos: comunicação e universidade. V. 2, N. 24 (2014) CIDADES, CULTURAS E TECNOLOGIAS DIGITAIS. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/viewFile/14155/10727. Consulta em: 24/08/19.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1994.

Filmes

A MÁSCARA QUE VOCÊ VIVE. Direção e Produção de J. Siebel. U.S.A:, 2015. Disponível em:<https://filmow.com/a-mascara-em-que-voce-vive-t113319/>Acesso em: 08/06/19

Publicado
2019-12-13