LITERATURA NEGRO-BRASILEIRA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Palavras-chave: Literatura Negro-Brasileira. Ensino Médio. Legislação 10.639/03.

Resumo

A presente proposta tem como objetivo atentar para a presença do ensino de literatura negro-brasileira como contribuinte para as discussões das relações étnico-raciais no Ensino Médio. É problematizada a literatura dessa autoria e sua possível contribuição para a formação de leitores. No mais, é observado como a literatura pode corroborar para a aplicabilidade da lei 10.639/03, em sala de aula. Para tanto, abordamos a narrativa Aramides Florença, presente na obra Insubmissas Lágrimas de Mulheres (2017). Este trabalho classifica-se como um estudo qualitativo, cujos procedimentos são desenvolvidos por meio da revisão bibliográfica com enfoque para as produções que vislumbram o âmbito dos Estudos Decoloniais e Teoria Literária.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Santos de Jesus, Secretaria de Educação do Estado da Bahia - SEC

Professora da Secretaria de Educação do Estado da Bahia

Nilson Carlos Nascimento , Secretaria de Educação do Estado da Bahia - SEC

Professor da Secretaria de Educação do Estado da Bahia. 

Referências

BRASIL, Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003 /l10.639.htm. Acesso em: 1abril. 2020.

_____________. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Disponível em: http://paulo freire.org/wp-content/uploads/2012/PME/DCN Educação das Relações Etnico-Raciais.pdf. Acesso em: 10 mar. 2013.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”, in: LOPES LOURO, G. (org.). O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

COSTA ,Bernardino; TORRES, Nelson Maldonado; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1 ª ed. Belo Horizonte: Autêntica .2019

CUTI. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro Edições, 2010.

DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura e Afrodescendência. In: Literatura, política, identidades: ensaios. Belo Horizonte: FALE-UFMG, 2005, p. 113-131. Disponível em: http:www.letras.ufmg.br/literafro. Acesso em: 1 abril 2020.

DUARTE, Constância Lima. Gênero e violência na literatura afro-brasileira. In: Falas do outro: Literatura, gênero e etnicidade. Belo Horizonte: Nandyala; NEIA, 2010.

DUARTE, Eduardo. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: Terceira margem. n. 26, Rio de Janeiro, 2010. p. 113-138. Disponível em: http://www.revistaterceiramargem.com.br/index.php/revistaterceiramargem/article/view/60/72. Acesso em: 1 abr. 2020.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. In: SCRIPTA. Belo Horizonte: PUC Minas 2009, v. 13, n. 25. p. 17-31. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4365. Acesso em: 18 mai. 2020.

GOMES, Ivaneide, Damasceno do Nascimento. Literatura brasileira e afro-brasileira no ensino: a interpretação do aluno. – 2015. 153 f. Tese (Mestrado) – Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, Ilhéus, 2015.

GOMES, Nilma Lino, O Movimento Negro e a Intelectualidade negra descolonializado os currículos in: Decolonialidade e Pensamento Afrodiaspórico. 1 ª ed. Belo Horizonte: Autêntica .2019

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.). Pensamento Feminista Hoje: Perspectivas Decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

IANNI, Octavio. Literatura e consciência. In Revista do Instituto de Estudos brasileiros. Edição Comemorativa do Centenário da Abolição da Escravatura. N. 28. São Paulo: USP,1988.

MACHADO, L. Z. Masculinidade, sexualidade e estupro: as construções da virilidade. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 11, p. 231–273, 2013. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634634. Acesso em: 02 nov. 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER. E. (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 227-278 Disponível em: biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: 01 mai. 2020.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. 1ºed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004, 151p.

Publicado
2021-10-06
Seção
Artigos