PRÉ-NATAL DO PARCEIRO: DESAFIOS PARA O ENFERMEIRO

Palavras-chave: Promoção da saúde. Gestação. Enfermagem.

Resumo

A saúde do indivíduo é fator fundamental para o desenvolvimento humano e o acompanhamento deve ser realizado em todos os âmbitos e de maneira holística. Tendo como objetivo geral em identificar os principais desafios do enfermeiro no pré-natal do parceiro. O estudo foi elaborado através de uma pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa, realizada no banco de dados virtuais, BIREME utilizando-se os seguintes indexadores: LILACS e na base de dados BDENF e Scielo. O resultado apresentado envolve a implementação de estratégias que possibilitem o entendimento quanto à importância da participação paterna nas orientações e acompanhamento no processo gestacional, reforçando que a Unidade Básica de Saúde é a porta de entrada para um atendimento de qualidade. Conclusão que se apresenta baseia-se no entendimento de que o enfermeiro tem a responsabilidade de acolher o parceiro e oportunizar a esse indivíduo maior interação no processo gravídico, tanto nas consultas individuais como nos eventos em grupo, permitindo dessa forma que o mesmo se reconheça como protagonista de uma situação nova.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilamara Cardoso Silva, Faculdade Guaraí-FAG

Graduada em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG. 

Rayanne Rocha Wanderley, Faculdade Guaraí-FAG

Graduada em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG. 

Glaucya Wanderley Santos Markus, IESC/FAG

Enfermeira. Mestra em Bioengenharia com Ênfase em Saúde. 

Reobbe Aguiar Pereira, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeiro. Mestre em Ciências Ambientais. 

Giullia Bianca Ferraciolli do Couto , Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeira. Mestra em Bioengenharia com Ênfase em Saúde. 

Adriana Keila Dias , Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeira. Mestra em Ciências Ambientais. 

 

Referências

ARIÉS, P. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: LTC, 2001.

BENEVIDES, R; PASSOS, E. Humanização na saúde: um novo modismo? Interface (Botucatu). 2007; 9 (17): 389 - 406. DOI: 10.1590/S1414-32832005000200014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000200014. Acesso em: 15 de set. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS), Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação Nacional de Saúde do Homem. Guia do Pré-natal do parceiro para os profissionais da saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: . Acesso em 15 de abril de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual Técnico- Pré-natal e Puerpério. Atenção qualificada. 1ª ed. Brasilia-DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Cuidando de adolescentes na Rede Cegonha: orientações básicas para a saúde sexual e saúde reprodutiva/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Área Técnica de Saúde do Adolescente e do Jovem. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília (DF); 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Painel de Indicadores Epidemiológicos. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/gestores/painel-de-indicadores-epidemiologicos. Acesso em: 08 de set. de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolo de Investigação de Transmissão Vertical. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/j4TSdA>. Acesso em: 06 de set. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Protocolo clínico e Diretrizes Terapêuticas para prevenção da transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Mistério da Justiça. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Mensagem de veto § 7º do art. 226 da Constituição Federal Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Disponível em: http://www.andi.org.br/file/51365/download?token=NwKBuql5. Acesso em 25 de Agost. 2018.

BRASIL. Mistério da Justiça. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 108 de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Trata de garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2005/lei-11108-7-abril-2005-536370-publicacaooriginal-26874-pl.html. Acesso em: 25 de Agost. 2018.

BRUGGEMANN, OM; et al., Satisfação de companheiros com a experiência de apoiar o parturiente em um hospital universitário. Tradução Contexto Enferm, 2015, 24 (3): 686-96. Disponível em: http: //www.scielo.br / scielo.php?script = sci_arttext & pid = S0104-07072015000300686 & lng = pt & nrm = iso. Acesso em: 29 de set. 2018.

CÓDIGO DO TRABALHO. Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro. Aprovação do Código do Trabalho. Assembleia da República. Disponível em: https://www.unl.pt/sites/default/files/codigo_do_trabalho.pdf. Acesso em: 06 de out. 2018.

HODNETT, ED; et al., Suporte contínuo para mulheres durante o parto. Base de dados Cochrane Syst Ver. 2013 Jul. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD003766.pub5/epdf. Acesso em: 29 de set. 2018.

LIMA, C.T.B. et al. Percepções e práticas de adolescentes grávidas e de familiares em relação à gestação. Revista Brasileira de Saúde Materno-Infantil, v.4, n.1, p. 71-83, 2014.

MEDLEY, A; et al., Barreiras e resultados da revelação do HIV sorostatus entre mulheres em países em desenvolvimento países: implicações para a prevenção de programas de transmissão de mãe para filho. Órgão Mundial de Saúde da Bull. 2008; 82 (4): 299-307.

MENDES, Silma Costa; SANTOS, Kezia Cristina Batista dos. Pré-natal masculino: a importância da participação do pai nas consultas de pré-natal. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.16 n.29; 2018.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Manual para Principiantes. Franca, 2011.

POH, HL; et al., Uma revisão integrativa de experiências dos pais durante a gravidez e o parto. Int. Nurs. Rev. 2014 Dez. p. 543-554. Disponível em: https: //www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25358873. Acesso em: 29 de set. 2018.

SANTOS, NCM. Assistência de Enfermagem Materno-infantil. São Paulo: Latrina, 2004.

Publicado
2020-10-15
Seção
Artigos