ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A MULHER CLIMATÉRICA: ESTRATÉGIAS DE INCLUSÃO NA ROTINA DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Palavras-chave: Climatério. Assistência de Enfermagem. Saúde da Mulher.

Resumo

O climatério é uma etapa natural na vida da mulher, com intensas alterações físicas e emocionais podendo influenciar na qualidade de vida. Este estudo é uma revisão bibliográfica descritiva que teve como objetivo buscar, aprimorar e incluir estratégias nas rotinas das Unidades Básicas de Saúde, promover ações educativas visando sempre à assistência de enfermagem relacionada às usuárias do Sistema Único de Saúde. Foi realizado uma busca por artigos nos bancos de dados da biblioteca virtual do ministério da saúde, Lilacs e Scielo, e livros entre os anos de 2004 a 2018, os termos mais abordados foram assistência de Enfermagem a mulher climatérica, qualidade de vida da mulher no climatério. A qualidade de vida da mulher no climatério é influenciada por diversos aspectos físicos e psicológicos. Um estilo de vida saudável aliado a outros fatores pode colaborar para o enfrentamento positivo deste período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Espírito Santo Gomes Carneiro, Faculdade Guaraí-FAG

Graduada em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG. 

Patrícia Andrade Silva, Faculdade Guaraí-FAG

Graduada em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG. 

Glaucya Wanderley Santos Markus, IESC/FAG

Enfermeira. Mestra em Bioengenharia com Ênfase em Saúde.

Reobbe Aguiar Pereira, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeiro. Mestre em Ciências Ambientais. 

Giullia Bianca Ferraciolli do Couto, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeira. Mestra em Bioengenharia com Ênfase em Saúde. 

Adriana Keila Dias, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeira. Mestra em Ciências Ambientais. 

Referências

ALMEIDA, AA., et al. A importância da alimentação saudável no período do climatério. Salão do Conhecimento. 2015.

ALVES, ERP; et al., Produção científica sobre sexualidade de mulheres no climatério: revisão integrativa. Res. Fundam. Care. Online abr./jun. 2015; 7(2):2537-2549.

ARANHA, JS; LIMA, CB; LIMA, MNFA; NOBRE, JOC. Climatério e menopausa: percepção de mulheres usuárias da estratégia saúde da família. Rev. Tem. Em Saud. Joao Pessoa 2016; 16:2.

BARRA, AA, et al., Terapias Alternativas no Climatério. Rev. Femin. Jan/Fev. 2014; 42:1.

BELTRAMINI, ACS; DIEZ, CAP; CAMARGO, IO; PRETO, VA. Atuação do enfermeiro diante da importância da assistência à saúde da mulher no climatério. Rev. Min. Enferm. 2010; 14(2): 166-174, abr./jun.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Atenção Integral à Saúde da Mulher no Climatério / Menopausa. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de atenção Integral à Saúde da Mulher. Princípios e Diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Básica. Diretrizes do Nasf: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

CRUZ, LMB; LOUREIRO, RP. A comunicação na abordagem preventiva do câncer do colo do útero: importância das influências histórico-culturais e da sexualidade feminina na adesão às campanhas. Rev. Saúd. E Socied. São Paulo 2008; 17(2):120-131.

CUNHA, DS, et al., Soja para consumo humano: breve abordagem. Agrarian Academemy, Cent. Cient. Conhec. – Goiania. 2015; 2(3): 101.

FERREIRA, SRS; PÉRICO, LAD; DIAS, VRGF. A complexidade do trabalho do enfermeiro na Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Enferm. 2018;71 (Supl 1):704-9.

FILHO, JFL; et al., Epidemiologia da menopausa e dos sintomas climatéricos em mulheres de uma região metropolitana no sudeste do Brasil: inquérito populacional domiciliar. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2015; 37(4):152-8.

FRACOLLI, LA; CASTRO, DFA. Competência do enfermeiro na Atenção Básica: em foco a humanização do processo de trabalho. Rev. mundo da saud, São Paulo. 2012;36(3):427-432.

FREITAS, ER; et al., Educação em saúde para mulheres no climatério: impactos na qualidade de vida. Reprod. Clim. 2016; 31(1): 37- 43.

FRETA, TB; REIS, NM; MACHADO, Z; COUTINHO, A. Melhora dos sintomas do climatério por meio da atividade física: uma revisão sistemática. Saúd Rev. Piracicaba, maio-ago. 2017; 17(46):67-78.

GADIN, NE. Envelhecimento: combate-lo ou compreendê-lo? O climatério como exemplo. Rev. Art. Méd. Ampl. jan/fev/mar/ 2017; 31:1.

GONÇALVES, R; MERIGUI, MAB; OLIVEIRA, DM. Climatério: novas abordagens pra o cuidar. In: Fernandes RAQ, Narchi NZ. (orgs.) Enfermagem e saúde da mulher. 2ª ed. Manoele. 2013; 254-266. Barueri, SP.

GONZALEZ, H. Enfermagem em ginecologia e obstetrícia. Rev. e Ampl. São Paulo: Editora Senac São Paulo. 2010; 15º ed. cap.4 p.69-75.

MALHEIROS, ESA; et al., Síndrome climatérica em uma cidade do nordeste brasileiro: um inquérito domiciliar. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014; 36(4):163-9.

MORAES, TOS; SCHNEID, JL. Qualidade de vida no climatério: uma revisão sistemática da literatura. Rev. Amaz. Scien. & Helt. 2015; Jul/set.

OLIVEIRA, SKP; et al., Temas Abordados na Consulta de Enfermagem. Revisão integrativa- Rev. Enf. Brasília, 2012.

PEREIRA, RTA; FERREIRA, V. A Consulta de Enfermagem na Estratégia Saúde da Família. Rev. Uniara, 2014; 17(1).

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS. Protocolo de Enfermagem. Saúde da Mulher. Acolhimento às demandas da mulher nos diferentes ciclos de vida. Florianópolis, Dez 2016; 3.

RAMOS, AL; OLIVEIRA, AAC. Incontinência urinária em mulheres no climatério: efeitos dos exercícios e Kegel. Rev. Hórus. Out/Dez 2010; 4(2).

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, SÃO PAULO. Coordenação da atenção básica do município. Saúde da mulher. Série manuais de enfermagem. Maio/2015.

SILVA, CB; BUSNELLO, GF; ADAMY, EK; ZANOTELLI, SS. Atuação de enfermeiros na atenção às mulheres no climatério. Rev. Enferm. UFPE. 2015; 9 (supl.1):312-8 Jan.

SILVA, TB; BORGES, MMMC. Sexualidade após a menopausa: situações vivenciadas pela mulher. Rev. Enferm. Integr. Ipatinga, Nov/Dez. 2012; 5:2.

SOUZA, NLSA; ARAÚJO, CLO. Marco do envelhecimento feminino, a menopausa: sua vivência, em uma revisão de literatura. Revista Kairós Gerontologia, 18(2), pp. 149-165. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

TOCANTINS. Secretaria de Estado da Saúde. Atenção Integral à Saúde da Mulher Tocantinense. Protocolos de Atenção a Mulher no Pré-natal e Puerpério. Palmas, Secretaria de Estado da Saúde, 2012.

UNA-SUS. Atenção à saúde da mulher no climatério. Unid.2. E-book. 2018. Disponível no App SAITE Store na Play Store.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Atenção integral a saúde da mulher: enfermagem. Univer. Feder. Sant. Catar. 2012; 2 ed. Florianópolis.

VEJA. Veja.com. Como seria o corpo feminino ideal? 17 Ago. 2015. [Acesso em 25 mar 2018]. Disponível em: https://veja.abril.com.br/saude/como-seria-o-corpofeminino-ideal/.
Publicado
2020-10-15
Seção
Artigos