RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE MONITORIA EM LÍNGUA INGLESA: UM PASSO PARA A FORMAÇÃO ACADÊMICA

Palavras-chave: Monitoria. Motivação. Ensino-aprendizagem de Língua Inglesa.

Resumo

Este trabalho busca analisar e compreender os benefícios do Programa Institucional de Monitoria (PIM) na valorização, motivação e incentivo aos alunos no processo de ensino-aprendizagem da disciplina de língua inglesa do curso de Letras da Universidade Federal do Tocantins Campus Araguaína. Fizemos uma ponte entre as teorias e práticas relacionadas às técnicas de ensino e à psicologia do desenvolvimento, da aprendizagem e os processos mentais e sociais ligados à diversos contextos humanos; e a partir da prática e estudo, refletimos acerca da importância da percepção das características de ensino/aprendizagem presentes na professora, monitora e discentes para a solução dos problemas. Buscamos elevar a autoestima dos alunos rompendo crenças e limitações e a partir de relatos orais e escritos dos envolvidos (professora, monitora e alunos) identificar avanços e rupturas de fatores multidimensionais trazidos desde a educação básica, a percepção do progresso como iniciante à docência por parte da monitora no papel de auxiliar direta da professora, a autonomia e confiabilidade nos discentes e maiores percepções e ações da professora da disciplina sobre os sentimentos e dificuldades dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rebeca Carvalho Melo, Universidade Federal do Tocantins

Graduanda e monitora de Língua Inglesa do curso de Licenciatura em Letras pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Bacharelado em Psicologia pela Faculdade Católica Dom Orione (FACDO). Araguaína, Tocantins. 

Elisa Borges de Alcântara Alencar, UFT/Professora

Professora Doutora do curso de Letras/Língua Inglesa da Universidade Federal do Tocantins (UFT) Câmpus de Araguaína. 

Referências

AARÃO, Sirlene Aparecida. Sentidos e significados no sistema de atividade monitoria. 2010. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, 2010.

Atkinson, R. C. & Shiffrin, R. M. (1968). Human memory: A proposed system and its control processes. In K. W. Spence & J. T. Spence (Eds.). The Psychology of Learning and Motivation: Advances in Research and Theory, New York: Academic Press.

Baddeley AD, Hitch G. Working Memory. Psychology of learning and motivivation. 8: 47-89. 5. 1974.

Baddeley A. The episodic buffer: a new component of working memory?. Trends Cognitive Science. 4 :417-23. 2000.

BRASIL, Lei n° 5540, 28 de novembro de 1968. Dispõe sobre fixa norma de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 13 mai. 2020.

DANTAS, Otilia. M. Monitoria: fonte de saberes à docência superior. Brasília: Revista brasileira de Estudos Pedagógicos., v. 95, n. 241, p. 567-589, 2014. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217666812014000300007&lng=pt&tlng=pt> Acesso em: 13 mai. 2020.

FONSECA, Tânia. M. M; BIDA, Gislene. L. Relação professor e aluno: realidade e possibilidades. Pontra Grossa, 2009. Disponível em: < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1782-8.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2020.

MARTINS, V. L. O Lúdico No Processo Ensino-Aprendizagem Da Língua Inglesa. São Paulo: Revista Científica Intraciência Guarujá. Ed 10. 2015.

RABELLO, E.T. e PASSOS, J. S. Vygotsky e o desenvolvimento humano. Disponível em Acesso em: 13 mai. 2020.

ROGERS, Carl R., KINGET, Marian. Psicoterapia e Relações humanas: teoria e prática da terapia não-diretiva. 2a. ed. Belo Horizonte: Interlivros, Vol. 1. 288 p. 1977.

ROGERS, C.R. Liberdade de aprender em nossa década. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

ROGERS, C.R. Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

SCHNEIDER, M. S. P. S. Monitoria: instrumento para trabalhar com a diversidade de conhecimento em sala de aula. Revista Eletrônica Espaço Acadêmico, Maringá, v. 6, n. 65, out. 2006.

SHWARTZ, Suzana. Motivação para aprender e ensinar: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora Vozes, vol. 1, 2014.

SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1967. (Original de 1953).

SWELLER, J. Cognitive Load Theory: Recent Theoretical Advances. In: PLASS, J. L.; MORENO, R.; BRÜNKEN, R. (Org(s).). Cognitive Load Theory. New York: Cambridge University Press, 2010.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1996.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
Publicado
2021-03-31
Seção
Artigos