EXPERIÊNCIAS DO OBSERVATÓRIO CARIRIENSE DE PRÁTICAS EM SAÚDE POPULAR: ESTUDOS SOBRE PARTEIRAS E BENZEDEIRAS

Palavras-chave: Saúde popular. Cultura. Epistemologia.

Resumo

A ciência moderna ao produzir existências também produziu ausências. É necessário reabilitar os diferentes saberes por reconhecer, nessas formas de conhecimento, virtualidades capazes de enriquecer a relação dos seres com o mundo. Logo, este trabalho objetiva relatar as experiências de estudantes de Medicina da Universidade Federal do Cariri em um projeto de registros epistêmicos de parteiras e benzedeiras no interior nordestino do Brasil. Com a realização deste projeto foi possível registrar a construção histórica e cultural dos saberes tradicionais em saúde produzidos e compartilhados por parteiras e benzedeiras no interior nordestino brasileiro, frisando a importância da valorização histórica e cultural, além de proporcionar o mapeamento de patrimônios culturais imateriais da região. Contudo, mais estudos e projetos de intervenção são necessários para valorização e preservação dos saberes populares em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Walisson Gomes Feitosa, Universidade Federal do Cariri

Acadêmico de Medicina, Universidade Federal do Cariri. 

Vinicius Gomes Mota, Universidade Federal do Cariri

Acadêmico de Medicina, Universidade Federal do Cariri. 

Maria Andrezza Gomes Maia, Universidade Federal do Cariri

Acadêmica de Medicina, Universidade Federal do Cariri. 

Ítalo de Oliveira Constâncio, Universidade Federal do Cariri

Acadêmico de Medicina, Universidade Federal do Cariri. 

Emille Sampaio Cordeiro, Universidade Federal do Cariri

Mestra em Saúde Pública, docente da Universidade Federal do Cariri. 

Sally de França Lacerda Pinheiro, Universidade Federal do Cariri

Doutora em Ciências da Saúde, docente da Universidade Federal do Cariri.

Referências

BOUCHER-PETROVIC, N. A educação popular às voltas com a sociedade da informação: potencialidades, riscos e particularidades. LIINC em Revista, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 28-49, mar. 2006. Disponível em: <http://www.liinc.ufrj.br/revista/index-revista.htm>. Acesso em: 6 maio 2007. [ Links ]

EHRENREICH, Barbara. Bruxas, Parteiras e Enfermeiras. Eua: The Feminist Press, 1973.

NASCIMENTO, Vagner Ferreira do; HATTORI, Thalise Yuri; TERÇAS-TRETTEL, Ana Cláudia Pereira. Desafios na formação de enfermeiros indígenas em Mato Grosso, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 25, n. 1, p.47-56, jan. 2020. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232020251.28952019.

NUNES, Bruno Eduardo Bastos Rolim et al. Social determinants of mortality due to visceral leishmaniasis in Brazil (2001-2015): an ecological study. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, [s.l.], v. 53, p.1-20, 2020. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0262-2019.

PARO, César Augusto; VENTURA, Miriam; SILVA, Neide Emy Kurokawa e. PAULO FREIRE E O INÉDITO VIÁVEL: ESPERANÇA, UTOPIA E TRANSFORMAÇÃO NA SAÚDE. Trabalho, EducaÇÃo e SaÚde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 18, p.1-22, jan. 2020.

SANTOS, B.S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SANTOS, B.S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004a. p.777-821.

STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime J. Dicionário Paulo Freire. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

VASCONCELOS, E. Redefinindo as práticas de saúde a partir da educação popular nos serviços de saúde. In: VASCONCELOS, E. (Org.). A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular em saúde. São Paulo: HUCITEC, 2001. p. 11-19. [ Links ]

Publicado
2020-10-15
Seção
Relatos de Experiência