IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NA REDE HOSPITALAR E SEU IMPACTO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE

  • Reobbe Aguiar Pereira Faculdade Guaraí-FAG
  • Camila Ferreira Cruz Coelho Faculdade Guaraí-FAG
Palavras-chave: Acesso de serviço de saúde. Triagem. Planejamento.

Resumo

Trata-se de um relato de experiência, cujo objetivo é descrever a experiência da implantação do acolhimento com classificação de risco no âmbito hospitalar e seu impacto no planejamento e execução das ações realizadas na atenção primária a saúde.  Os resultados evidenciaram que o serviço de acolhimento e classificação, quando sistematizado corrobora para a efetividade da Gestão Municipal de Saúde. O modelo utilizado como referência foi o disponibilizado pelo Ministério da Saúde através do Programa Nacional de Humanização, realizando as adequações pertinentes a realidade local.  Apesar das dificuldades da articulação entre os gestores envolvidos, foi possível desenvolver a migração do atendimento por ordem de chegada para o atendimento por ordem de prioridade, conforme o nível de gravidade e ainda disponibilizar relatórios periódicos para planejamento e gestão dos serviços de saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reobbe Aguiar Pereira, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeiro; Especialista Enfermagem do Trabalho; Urgência e Emergência; Unidade de Terapia Intensiva - UTI; Informática em Saúde, e Mestrando em Ciências Ambientais.

Camila Ferreira Cruz Coelho, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeira. Mestre em Saúde Coletiva. 

 

Referências

ALBINO, R. M.; GROSSEMAN, S.; RIGGENBACH, V. Classificação de risco: Uma necessidade inadiável em um serviço de emergência de qualidade. Arquivos Catarinenses de Medicina. Vol. 36, nº 4, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 de agosto de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. HUMANIZA SUS: acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde /Ministério da Saúde, Secretaria- Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Brasileiro de Geográfica e Estatística-IBGE, Censo, 2010. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 17 de julho de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização - PNH. Acolhimento com classificação de risco nos sistemas de urgência e emergência do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

GILBOY, N.; TANABE, P.; TRAVERS, D.; ROSENAU, A. M. Emergency Severity Index, Version 4: Implementation Hand book Agency for Healthcare Research and Quality; 2005. Disponível em: < http://www.ahrq.gov/research/esi/esihanbk.pdf >. Acesso em: 10 de agosto de 2018.

Grupo Brasileiro de Classificação de Risco. Histórico da Classificação de Risco. Hospital João XXIII. 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 de julho de 2018.

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. 2º ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011.

SOUZA, C. C.; TOLEDO, A. D.; TADEU, L. F. R.; CHIANCA, T. C. M. Classificação de risco em pronto-socorro: concordância entre um protocolo institucional brasileiro e Manchester. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Vol. 19, nº 1, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n1/pt_05.pdf >. Acesso em: 17 de agosto de 2018.
Publicado
2019-10-02
Seção
Relatos de Experiência