TABAGISMO, PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA: CONHECIMENTO DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO

  • Reobbe Aguiar Pereira FAG
  • Adriana Keila Dias Faculdade Guaraí-FAG
  • Glaucya Wanderley Santos Markus Faculdade Guaraí-FAG
Palavras-chave: Tabagismo. Saúde pública. Enfermagem.

Resumo

O tabagismo é considerado uma questão de Saúde Pública tendo em vista ser uma causa estável de mortes em todo o mundo a cada ano. O objetivo desse trabalho é discutir aspectos do trabalho do enfermeiro no dia-a-dia de unidades de saúde que atendem pacientes com tabagismo. Trata-se de estudo feito por meio de revisão bibliográfica em que se buscou aprofundar-se sobre o conhecimento acumulado da profissão de enfermagem que contribui para o tratamento de pacientes com tabagismo. Por meio de metodologia integrativa da literatura pesquisa foi possível verificar que o trabalho dos profissionais de enfermagem deve estar voltado para as atividades formativas e de interação social nos locais onde possam atuar como as equipes de saúde da família. Além disso, o tratamento do tabagismo requer, além da participação dos profissionais de saúde vinculados as unidades de saúde, o planejamento de políticas públicas, por parte dos gestores, mais robustas e de maior alcance, numa perspectiva formativa que abranja diversas faixas etárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reobbe Aguiar Pereira, FAG

Enfermeiro; Especialista Enfermagem do Trabalho; Urgência e Emergência; Unidade de Terapia Intensiva - UTI; Informática em Saúde, e Mestrando em Ciências Ambientais.

Adriana Keila Dias, Faculdade Guaraí-FAG

Bacharel em Enfermagem; Mestranda em Ciências Ambientais. Pós-graduada em UTI. 

Glaucya Wanderley Santos Markus, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeira. Mestranda em Bioengenharia com Ênfase em Saúde. 

Referências

ANTHONISEN, N. R. et al., Os efeitos de uma intervenção de cessação do tabagismo na mortalidade de 14,5 anos. Anais de Medicina Interna, Filadélfia, v. 142, 2005.

ARAÚJO, CRG; ROSAS, AMMTF. O papel da equipe de enfermagem no setor de radioterapia: uma contribuição para a equipe multidisciplinar. Revista brasileira de cancerologia, 2008.

ARAÚJO, A. J. Manual de condutas e práticas em tabagismo. Sociedade Brasileira de Pneumologia Tisiologia. Rio de Janeiro: Gen Editorial, 2012.

BRASIL. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva; Organização Pan Americana da Saúde. Pesquisa especial de tabagismo – PETab: Relatório Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2011

BRASIL. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: o cuidado da pessoa tabagista. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

CAMPOS, F. C. C. de; FARIA, H. P. de; SANTOS, M. A. dos. Planejamento e avaliação das ações em Saúde. Curso de Especialização em Atenção Básica à Saúde da Família. 2 ed. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2010.

CAVALCANTE T.M. O controle do tabagismo no Brasil: avanços e desafios- Rev. Psiq. Clín. São Paulo, v.32, n.5, Oct. 2005.

DIAS, R. B. Diretrizes de intervenção quanto a mudanças de comportamento: a entrevista motivacional. Diretrizes clínicas para atuação em saúde mental na atenção básica. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2009.

FERNANDES, Aryanne. Teorias de enfermagem, 2013. Disponível em: https://pt.scribd.com/login?return=%2Fsaved. Acesso em jul: 2018.

FERREIRA SRS, Perico LAD, Dias VRGF. The complexity of the work of nurses in Primary Health Care. Rev Bras Enferm, 2018.

FIORE MC, Bailey et. al., Smoking cessation. Agency for Health Care Policy andReserch. US Department of Health and Human Services, 2008.

HAGGSTRÄM, F. M.; CHATKIN, J. M. Dependência à Nicotina. In: VIEGAS, C. A. A. (Ed.). Tabagismo: do diagnóstico à saúde pública. São Paulo: Atheneu, 2007.
Publicado
2019-10-02
Seção
Artigos