ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

  • Laurice Aguiar dos Santos Silva Faculdade Guaraí-FAG
  • Adriana Keila Dias Faculdade Guaraí-FAG
  • Jairo Garcia Gonçalves Faculdade Guaraí-FAG
  • Núbia Rodrigues Pereira Faculdade Guaraí-FAG
  • Reobbe Aguiar Pereira FAG
Palavras-chave: Urgência e Emergência. Enfermagem. Capacitação.

Resumo

Este artigo aborda a atuação da enfermagem em unidades de urgências e emergências e a importância da capacitação destes profissionais para um bom desenvolvimento do trabalho e obtenção de bons resultados no atendimento aos pacientes. Este é um estudo de revisão bibliográfica que tem como objetivo geral descrever a importância da capacitação para o atendimento em urgência e emergência realizada por enfermeiros. Destaca-se a importância da atuação e capacitação do enfermeiro e a organização dos serviços de urgência e emergência. As análises feitas em diversos estudos apontam que os enfermeiros estão diariamente expostos a estresse, esgotamento, pressão emocional, esforço físico e mental, isso ocorre porque há um acúmulo de funções, atividades de assistência e burocráticas. Portanto é de suma importância que o profissional atuante na área do setor de urgência e emergência se qualifique e ainda que este setor se torne cada vez mais humanizado e com maior qualidade, pois os ambientes laborais impõe um esforço fora do comum destes profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laurice Aguiar dos Santos Silva, Faculdade Guaraí-FAG

Pedagoga. Especialista em Orientação e Supervisão Escolar. 

Adriana Keila Dias, Faculdade Guaraí-FAG

Bacharel em Enfermagem; Mestranda em Ciências Ambientais. Pós-graduada em UTI. 

Jairo Garcia Gonçalves, Faculdade Guaraí-FAG

Administrador de empresas. Mestre em Ciências Ambientais. 

Reobbe Aguiar Pereira, FAG

Enfermeiro; Especialista Enfermagem do Trabalho; Urgência e Emergência; Unidade de Terapia Intensiva - UTI; Informática em Saúde, e Mestrando em Ciências Ambientais.

Referências

AMESTOY. S. C.; MILBRATH. V. M.; CESTARI. M. E.; THOFEHRN. M. B. Educação permanente no trabalho da enfermagem. Revista Ciência Cuidado e Saúde. Jan/Mar 2008. Disponível em: . Acesso em 01 de setembro de 2018.

AZEVEDO. A. L. C. S; A. P. LEMOS. C, COELHO. M. F, CHAVES. L. D. P. Organização de serviços de emergência hospitalar: uma revisão integrativa de pesquisas. Revista Eletrônica de Enfermagem. Outubro/dezembro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 de agosto de 2018.

BRASIL. Código civil, 2002. Código civil. 53. ed. São Paulo: Saraiva; 2012.

BRASIL. Código de Defesa do Consumidor, 2002. CDC. 53. ed. São Paulo: Saraiva; 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília, DF, 2010.

BAGGIO, M. A.; CALLEGARO, G. D.; ERDMANN, A. L. Compreendendo as dimensões de cuidado em uma unidade de emergência hospitalar. Revista brasileira de Enfermagem. Vol.61, n.5. 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 de setembro de 2018.

BEDIN, E.; RIBEIRO, L. B. M.; BARRETO, R. A. Humanização da assistência de enfermagem em centro cirúrgico. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 06, n. 03, 2004. Disponível em: < https://www.fen.ufg.br/fen_revista/revista6_3/13_Revisao3.html>. Acesso em: 03 de setembro de 2018.

CALIL, A. M., PARANHOS, W. Y. O enfermeiro e as situações de emergência. São Paulo: Atheneu; 795p., 2007.

COFEN - CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Resolução 160/93. Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. 1993.

COFEN - CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN nº 311/2007. Aprova a Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Disponível em: Acesso em: 17 de agosto de 2018.

CORBANI. N. M. de S.; BRÊTAS. A. C. P., MATHEUS. M. C. C. Humanização do cuidado de enfermagem: o que é isso? Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, maio/jun. 2009. Disponível em: Acesso em: 03 de setembro de 2018.
DESLANDES, S. F.; MINAYO, M. C. S. L. Atendimento de emergência às vítimas de acidentes e violências no Brasil. Revista Panamericana Salud Publica, Washington, v. 24, n. 6, 2008. Disponível em: Acesso em: 29 de agosto de 2018.

GALVÃO. J. Gerência de serviço de urgência e emergência: fortalezas e fragilidades. Revista Enfermagem Integrada – Ipatinga: Unileste, v. 6 - n. 2 - Nov./Dez. 2013. Disponível em < http://www.unilestemg.br/enfermagemintegrada/artigo/v6_2/01-gerencia-de-servicos-de-urgencia-e-emergencia-fortalezas-e-fragilidades.pdf>. Acesso em 27 ago. 2018.

GENTIL. R. C, RAMOS. L. H. Capacitação de enfermeiros em atendimento pré- hospitalar. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v.16, n. 2. Abr., 2008. Disponível em . Acesso em 22 de agosto de 2018.

LEOPARDI, M.T. Teorias de enfermagem: instrumentos para a prática. Monografia. Florianópolis: NFR/UFSC; Papa-Livro; 1999. 226 p. Disponível em < http://pesquisa.bvsalud.org/enfermagem/resource/pt/bde-1915>. Acesso em 19 de agosto de 2018.

MADEIRA. D. B, LOUREIRO. G. M, NORA. E. A. Classificação de risco: perfil do atendimento em um hospital municipal do leste de Minas Gerais. Revista Enfermagem Integrada. Ipatinga: Unileste-MG. V.3. Nº 2. Nov./Dez. 2010. Disponível em . Acesso em 28 de agosto de 2018.

MALUCELLIL. A, OTEMAIER. K. R, BONNET. M, GARCIA. T. R. Sistema de informação para apoio à sistematização da assistência de enfermagem. Brasília: Revista Brasileira de Enfermagem. 2010. Disponível em . Acesso em 20 de agosto de 2018.

MELO, M. do C. B. Urgência e Emergência na Atenção Primária à Saúde / Maria do Carmo Barros de Melo e Nara Lúcia Carvalho da Silva. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2011. In Teoria Imogene M. King. Artigo por Colunista Portal - Educação - quinta-feira, 27 de dezembro de 2012. Disponível em Acesso em 22 de janeiro de 2018.

MENZANI, G. Stress entre enfermeiros brasileiros que atuam em pronto socorro. São Paulo. 2006. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Universidade São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em 20 de agosto de 2018.

MOURA, E. R. F. et al. Fatores de risco para síndrome hipertensiva específica da gestação entre mulheres hospitalizadas com pré-eclampsia. Cogitare enferm. v. 15, n. 2, p. 250-255, 2014. Disponível em: . Acesso em 20 de agosto de 2018.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários em Saúde. 2000. Disponível em: < http://www.opas.org.br>. Acesso em 10 de agosto de 2018.

OLIVEIRA, E.B; LISBOA, M.T.L.; LUCIDO, V.A.; SISNANDO, S.D. A inserção do acadêmico de enfermagem em uma unidade de emergência: a psicodinâmica do trabalho. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 179-185, maio/ago. 2004.

PASCHOAL, A. S. O discurso do enfermeiro sobre educação permanente no grupo focal. Dissertação (Mestrado) - Setor de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2004. 104 f. Disponível em: . Acesso em 02 de setembro de 2018.

ROCHA, E. C. de A. Atuação da enfermagem em urgências e emergências. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 10 dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 de outubro de 2018.

SANTOS, R. R.; CANETTI, M. D.; JUNIOR C. R.; ALVAREZ, F. S. Manual de socorro de emergência. São Paulo: Atheneu, 1999.

VALÊNCIA, E. S. J.; BARROSO, A.V. dos S.; BRASILEIRO, M. E. Pesquisas científica relacionada à Assistência do Enfermeiro na urgência e emergência na Unidade Básica de Saúde, segundo os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem do Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição [serial on-line] 2010. Disponível em: . Acesso em Acesso em 02 de setembro de 2018.

WEHBE, G.; GALVAO, M. C. Aplicação da Liderança Situacional em enfermagem de emergência. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 58, n. 1, p. 33-38, fev. 2005. Disponível em . Acesso em 29 ago. 2018.
Publicado
2019-10-02
Seção
Artigos