A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA TERCEIRA IDADE

  • Laurice Aguiar dos Santos Silva Faculdade Guaraí-FAG
  • Adriana Keila Dias Faculdade Guaraí-FAG
  • Jairo Garcia Gonçalves Faculdade Guaraí-FAG
  • Reobbe Aguiar Pereira Faculdade Guaraí-FAG
  • Ramon Sales Costa Faculdade Guaraí-FAG
  • Gustavo Oliveira Silva Faculdade Guaraí-FAG
Palavras-chave: Terceira Idade. Qualidade de Vida. Exercícios Físicos.

Resumo

O presente artigo é resultante de um estudo feito sobre a importância da prática da atividade física para idosos, destacando a adoção de um estilo de vida ativo e saudável como fator fundamental para a promoção da saúde e qualidade de vida durante o processo de envelhecimento. O objetivo do estudo foi mostrar o resultado e os benefícios que a prática de atividades físicas traz para o idoso fazendo com essa fase da vida tenha mais ganhos do que perdas e seja sendo considerada uma fase de novas experiências no convívio social. Verificou-se que através do incentivo e da prática de atividades físicas pode-se ajudar pessoas da terceira idade a ser mais saudáveis tendo uma vida ativa e não um período de inatividade e exclusão social e sim uma nova e bem sucedida etapa. O estudo foi elaborado através de uma pesquisa bibliográfica e qualitativa. Para tanto, foi realizada uma busca da literatura científica em livros relacionados ao tema e também em meios virtuais na (internet) em sites de comprovada idoneidade. A principal conclusão ou a que se chegou foi que o sedentarismo é um fator de risco para a velhice, podendo ser responsável pela aquisição de várias doenças e assim, diminuir significativamente a qualidade de vida na terceira idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laurice Aguiar dos Santos Silva, Faculdade Guaraí-FAG

Pedagoga. Especialista em Orientação e Supervisão Escolar. 

Adriana Keila Dias, Faculdade Guaraí-FAG

Bacharel em Enfermagem; Mestranda em Ciências Ambientais. Pós-graduada em UTI. 

Jairo Garcia Gonçalves, Faculdade Guaraí-FAG

Administrador de Empresas e Mestre em Ciências Ambientais. 

Reobbe Aguiar Pereira, Faculdade Guaraí-FAG

Enfermeiro; Especialista Enfermagem do Trabalho; Urgência e Emergência; Unidade de Terapia Intensiva - UTI; Informática em Saúde, e Mestrando em Ciências Ambientais.

Ramon Sales Costa, Faculdade Guaraí-FAG

Graduando em Fisioterapia. E-mail: ramonsales@hotmail.com

Gustavo Oliveira Silva, Faculdade Guaraí-FAG

Graduando em Biomedicina. 

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde. Hipertensão Arterial Sistêmica. Brasília – DF: Cadernos de Atenção Básica n. 15. MS, 2006. Disponível em: Acesso em 10 de novembro de 2018.

CAMARANO, Ana Amélia; PASINATO, Maria Tereza. Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60. Rio de Janeiro: IPEA, 2004.

CASTRO, Joana Angélica Barradas de;et al. Estudo dos principais fatores de risco para acidente vascular Encefálico. São Paulo: Ver BrasClinMed, v. 7, n. 171. Universidade Cidade de São Paulo,2009. Disponível em: Acesso em 21 de outubro de 2018.

CHAVES, Márcia L. F. Acidente vascular encefálico: conceituação e fatores de risco. Porto Alegre: Ver BrasHipertens v. 7, n. 4, 2000. Disponível em: Acesso em 12 de outubro de 2018.

FREITAS Maria Célia de, Queiroz Terezinha Almeida, Sousa Jacy Aurélia Vieira de. O significado da velhice e da experiênciade envelhecer para os idosos. São Paulo: Ver EscEnferm USP, 2009. Disponível em:
Acesso em 22 de novembro de 2018.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUEDES, Danielle Viveiros. Qualidade de vida de idosos com declíniocognitivo: auto e heterorrelatos. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Sinop-MT: Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora-MG, 2013. Disponível em: Acesso em 22 de setembro de 2018.

MCLELLAN, Kátia CristinaPortero; BARBALHO,Sandra Maria; CATTALINI, Marino; LERARIO, Antônio Carlos. Diabetes Mellitus do Tipo 2, Síndrome Metabólica e Modificação no Estilo de Vida. Campinas - SP: Rev. Nutrição, 2007, Disponível em: Acesso em 04 de novembro de 2018.

MERQUIADES,Jucicleide Herculano;AGRA, Jucineide Herculano Merquiades;ALBUQUERQUE, Kamila Maria Dantas; COSTA, Ruthnea Cordeiro;NAVARRO AntônioCoppi.A Importância do Exercício Físico para a Qualidade de Vida dos Idosos. São Paulo: ISSN v.3, 2009. Disponível em: Acesso em 10 de vovembro de 2018.

MONACO, LicianeLangona. Ensino sobre idoso e gerontologia: visão do discente de Enfermagem no estado de minas gerais. Texto Contexto Enfermagem. Florianópolis: v: 15, n: 4, 2004.

MORAES, Edgar Nunes de; MORAES, Flávia Lanna de; LIMA, Simone de Paula Pessoa. Características biológicas e psicológicas do envelhecimento. São Paulo: Ver Med Minas Gerais 2010; Fiocruz, Disponível em: Acesso em 22 de outubro de 2018.

SANTOS, Flávia Cruz da, Damico José Deraldo Soares. O Mal-Estar na Velhice como Construção Social.Goiânia – GO:Universidade Federal de Goiás v.12, 2009. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2018.

SANTOS, Sérgio Bezerra; SANTOS, LolandaBezerra da Costa; FERNANDES, Maria das Graças; SANTOS, Sérgio Ribeiro dos. Qualidade de Vida do Idoso na Comunidade: Aplicação da Escala de FlanaganSão Paulo: Rev Latino-am Enfermagem, 2002 novembro-dezembro. Disponível em: Acesso em 23 de novembro de 2018.

SANTOS, Silvana Sidney Costa. Concepções teórico-filosóficas sobre envelhecimento, velhice, idoso e enfermagem gerontogeriátrica. Porto Alegre: REBEN – Revista Brasileira de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande, 2010. Disponível em: Acesso em 12 de novembro de 2018.

SANTOS, Susan Cotrim; KNIJNIK, Jorge Dorfman. Motivos de Adesão à Prática de Atividade Física na VidaAdulta Intermediária. São Paulo: Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte n. 5, 2006. Disponível em: Acesso em 23 de novembro de 2018.

SCHVEITZER, Vanessa; CLAUDINO, Renato. A importância da atividade física
durante o processo de envelhecimento. Buenos Ayres: Revista Digital, n. 141 – fevereiro de 2010. Disponível em: Acesso em 12 de novembro de 2018.

SILVA, Carine Alves da; FOSSATTI, Anderlei Fabiano; PORTELLA, Marilene Rodrigues. Percepção do homem idoso em relação às transformações decorrentes do processo do envelhecimento humano. Porto Alegre: Universidade de Passo Fundo (UPF), v.12, 2007. Acesso em 23 de novembro de 2018.

SILVA, Lorena Cláudia Carvalho;FARIAS, Lorena Megg Barbosa; OLIVEIRA, Taina Silva de,RABELO, Dóris Firmino. Atitude de idosos em relação à velhice ebem-estar psicológico. São Paulo: ISSN v.15, 2012. Disponível em: Acesso em 15 de novembro de 2018.

SILVA, Terezinha Rodrigues;et al. Controle de Diabetes Mellitus e Hipertensão Arterial com Grupos de Intervenção Educacional e Terapêutica em Seguimento Ambulatorial de uma Unidade Básica de Saúde. São Paulo:Revista Saúde e Sociedade v.15, n.3, set-dez, 2006. Disponível em: Acesso em 1º de novembro de 2018.

PIRES, Flávio Oliveira de; DIAS, Pedro Henrique Pereira Campos; COUTO, Thiago Henrique Viana; CASTRO, Henrique Oliveira de. Perfil da qualidade de vida de idosos ativos e sedentários. Ponta Grossa – PR– Brasil: Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, Revista Qualidade de Vida do Idoso, v. 5, 2013. Disponível em:Acesso em 17 de novembro de 2018.

TORRES, Heloísa de Carvalho; PEREIRA, Flávia Rodrigues Lobo; ALEXANDRE, Luciana Rodrigues. Avaliação das ações educativas na promoção do autogerenciamento dos cuidados em diabetes mellitus tipo 2. Belo Horizonte – MG: Ver Esc Enfermagem, n. 45, USP, 2010. Disponível em: Acesso em 21 de novembro de 2018.
Publicado
2019-10-01
Seção
Artigos