EXTENSÃO ACADÊMICA, CULTURA AFRO-BRASILEIRA E ENSINO DE HISTÓRIA INTERAÇÕES ÉTICAS E ESTÉTICAS DE UMA EXPERIÊNCIA SERTANEJA

  • Gustavo Manoel da Silva Gomes Universidade Federal de Alagoas (UFAL) - Campus Sertão

Resumo

Este texto discute o desenvolvimento do Grupo de Cultura Negra do Sertão Abí Axé Egbé, com sede no Campus do Sertão da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Inicialmente formatado como um projeto de extensão universitária, atualmente conta com um grupo artístico e configura-se Equipamento Cultural dessa universidade, ao articular Ensino, Pesquisa e Extensão em torno de questões étnicas no sertão alagoano. Descrevemos e analisamos 44 narrativas produzidas por integrantes do grupo entre 2015 e 2018, tomando a noção de discurso como uma prática política pela significação das subjetividades, práticas e experiências sociais que situam os sujeitos (FOUCAULT, 2012, 2014). Além disso, discutimos a presença negra no sertão alagoano como um ato político que recria um espaço para visibilizar sua presença historicamente negada. Consideramos que as subjetividades se caracterizam por aberturas e movimentos de significação (FOUCAULT, 1979, 1984, 1985, 2011) e que os processos formativos promovidos no Abí Axé Egbé têm subjetivado e deslocado discursos e práticas dos sertanejos, reorientando-os politicamente a partir de critérios étnicos. Conforme as narrativas analisadas, compreendemos que o grupo tem promovido experiências estéticas (OLIVEIRA, 2011) que contribuem para a subjetivação de valores éticos antirracistas, tomando a extensão universitária como cultura, prática e compromisso político-científico da universidade em prol de democratizar a produção do conhecimento junto à sociedade, transformando-a segundo princípios emancipatórios (PAULA, 2013).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Manoel da Silva Gomes, Universidade Federal de Alagoas (UFAL) - Campus Sertão

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Mestre em História Social da Cultura Regional pela UFRPE (2013). Especialista em História e Cultura Afro-brasileira pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP - 2011). Graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE (2009). Professor Assistente do curso de Licenciatura em História da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) - Campus Sertão, ministrando as disciplinas História Antiga, História Medieval, História da África e Estágio Supervisionado I. Atualmente é o coordenador do curso de graduação em História, Licenciatura, campus Sertão. Atua nos seguintes temas: História Antiga e Medieval, História da África, Ensino de História, História e Cultura Afro-Brasileira, História e Linguagem, Educação Patrimonial, Formação de Professores, Prática Pedagógica e Métodos e Técnicas de Ensino, em projetos de cunho interdisciplinar. Coordenador de área (História) do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID (UFAL/SERTÃO).

Referências

BRASIL, Ministério da Educação, (SECAD). Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: 2005.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2012.

FAZZI, Rita. O drama racial das crianças brasileiras: socialização entre pares e preconceito/Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

____________. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

____________. História da Sexualidade 3: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

____________. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

____________. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

____________. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

____________. A ordem do discurso: aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GOMES, Gustavo. A cultura afro-brasileira como discursividade: histórias e poderes de um conceito. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em História Social da Cultura Regional. Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Departamento de História, Recife, 2013.

GOMES, Nilma. Diversidade cultural, currículo e questão racial: desafios para a prática pedagógica. In.: ABRAMOWICZ, Lúcia. BARBOSA, Maria de Assunção. SILVÉRIO, Valter. Educação como prática da diferença. Campinas, SP: Armazém do Ipê (Autores Associados), 2006.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autentica, 2015.

MORAES, Maria Thereza. Experiências e movimentos de subjetivação no percurso de formação: identidades, sentimentos e histórias. Revista Lugares da Educação [RLE], Bananeiras – PB, v. 5, nº 10, pp. 6-19, jan-jul., 2015.

MUNANGA, Kabenguele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autentica, 2008.

____________.Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autentica, 2012.

OLIVEIRA, Inês. Prefácio. In: PASSOS, Mailsa; PEREIRA, Rita. (orgs.) Educação experiência estética. Rio de Janeiro: Nau, 2011.

PAULA, João. A extensão universitária: história, conceitos e propostas. Interfaces - Revista de Extensão, v. 1, n. 1, p. 05-23, jul./nov. 2013.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autentica, 2013.
Publicado
2019-03-13
Seção
Artigos