PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DAS RAIZES DA MANDIOCA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA

  • Layane Araújo Vítor PIBIC-Unitins
  • Eliane Regina Archangelo Unitins
  • Thadeu Teixeira Júnior Unitins
  • Marcos Morais Soares Unitins
  • Fabiana Lima Vieira PIBIC-Unitins
  • Isabel Iara Camelo Madeiro PIBIC-Unitins

Resumo

Este trabalho teve como objetivo determinar o efeito da época de colheita na produtividade e na qualidade das raízes de mandioca para indústria. As raízes foram colhidas na Fazenda Lagoa, localizada no povoado de Bonfinopólis, município de Rio Sono - TO. O delineamento experimental adotado foi de blocos casualizados com cinco tratamentos (épocas de colheita 01/Fev.; 02/Mar; 31/Mar; 29/Abr; 28 Mai de 2015 aos 14, 15, 16, 17 e 18 meses após plantio respectivamente) da variedade IAC 12 com quatro repetições, correspondentes ao total de 20 parcelas com espaçamento de 0,84 x 0,55 m entre plantas. As avaliações dos descritores agronômicos foram realizadas para todas as plantas na área útil da parcela. A deterioração fisiológica foi avaliada periodicamente aos 3, 6, 9, 12, 15, 18 e 21 dias após a colheita (DAC). Através do acompanhamento visual das raízes armazenadas, mediante observações do início do estriamento vascular. Onde as mesmas foram cortadas periodicamente em rodelas finas, a fim de quantificar a deterioração fisiológica observada ao longo das raízes conforme uma escala de notas que vão de zero a cinco. As épocas de colheita das raízes de mandioca destinadas à indústria não influenciaram sobre a produtividade tiveram apenas influência para característica altura de planta. As raízes de mandioca colhidas aos 17 meses após plantio apresentaram ser mais resistente a deterioração pós-colheita quando comparadas aos 14 e 18 meses.

Biografia do Autor

Layane Araújo Vítor, PIBIC-Unitins
Estudante do Curso de Engenharia Agronômica da UNITINS, Bolsistas do PIBIC-UNITINS/CNPq
Eliane Regina Archangelo, Unitins
Professor (a)/Pesquisador(a) Unitins
Thadeu Teixeira Júnior, Unitins

Professor/Pesquisador Unitins.

Marcos Morais Soares, Unitins

Professor/Pesquisador Unitins

Fabiana Lima Vieira, PIBIC-Unitins
Estudante do Curso de Engenharia Agronômica da UNITINS, Bolsistas do PIBIC-UNITINS/CNPq
Isabel Iara Camelo Madeiro, PIBIC-Unitins
Estudante do Curso de Engenharia Agronômica da UNITINS, Bolsistas do PIBIC-UNITINS/CNPq

Referências

ARAÚJO, J. L. P. de; CAVALCANTI, J.; CORREIA, R. C.; RAMALHO, P. J. P. Raspa de mandioca como alternativa para melhorar a

renda da pequena produção do Semi-Árido do Nordeste. Petrolina, PE: Embrapa semi-árido, 17 p. Il, 2004.

CAVALCANTI, J.; ARAÚJO, G. G. L. Parte aérea da mandioca na alimentação de ruminantes na região semi-árida. Petrolina,

PE: Embrapa semi-árido, 22 p., 2000.

EL-SHARKAWY, M. A.; LOPEZ,Y.; BERNAL, L.M. Genotypic variations in activities of PEPC and correlations with leaf

photosynthetic characteristics and crop productivity of cassava grown in low-land seasonally-dry tropics. Photosynthetica,

(2): 238-247, 2008.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computerstatisticalanalysis system. Ciência e Agrotecnologia (UFLA), v. 35, n.6, p. 1039-1042, 2011.

FUKUDA, W. M. G.; CALDAS, R. C. Relação entre os conteúdos de amido e farinha em mandioca. Revista Brasileira de

Mandioca, Cruz das Almas, v. 6, p. 57-63, 1987.

FUKUDA, W. M. G.; FUKUDA, C.; DIAS, M. C.; XAVIER, J. J. B. N.; FIALHO, J. F. Variedades. In: Aspectos Socioeconômicos e

Agronômicos da Mandioca. Editor: Luciano da Silva Souza... [et al.]. – Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura

Tropical, 2006a. p.433-454.

FUKUDA,W. M. G.; GUEVARA, C. L. Descritores morfológicos e agronômicos para a caracterização de mandioca (Manihot

esculenta Crantz). Cruz das Almas, BA: EMBRAPA-CNPMF,1998, 38 p. (EMBRAPA-CNPMF. Documentos,78).

GROSSMANN, J.; FREITAS, A. C. Determinação do teor de matéria seca pelo peso específico em raízes de mandioca. Revista

Agronômica, v. 160/162, n. 4, p.75-80, 1950.

HALSEY, M. E.; OLSEN, K.M.; TAYLOR, N.J.; AGUIRRE, P.C. Reproductive Biology of Cassava (Manihot esculenta Crantz) and

Isolation of Experimental Field Trials. Crop science, v. 48, p. 49-58, 2008. .

LORENZI, J. O.; DIAS, C. A. C. Cultura da mandioca. Campinas: Coord. de Assistência Técnica Integral. (Boletin técnico 211),

p. 1993.

MONTALDO, A. Vascular streakingof cassava root tubers, Tropical Science, London, v. 15, n.1, p.39-46, 1973.

RIMOLDI, F.; VIDIGAL FILHO, P. S.; VIDIGAL, M. C. G.; CLEMENTE, E.; PEQUENO, M. G.; MIRANDA, L.; KVITSCHAL, M. V.

Produtividade, composição química e tempo de cozimento de cultivares de mandioca de mesa coletadas no Estado do

Paraná. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v. 28, n. 1, p. 63-69, 2006.

TAKAHASHI, M.; GONÇALO, S. A cultura da mandioca. Paranavaí: Olímpica, 116p. 2005.

WHEATLEY, C. C. Conservacíon de raícesen bolsas de polietileno. Cali: Centro Internacional de agricultura Tropical, 1987. 33 p. (Série 045c-07-06).

Publicado
2016-06-11
Como Citar
Vítor, L. A., Archangelo, E. R., Teixeira Júnior, T., Soares, M. M., Vieira, F. L., & Madeiro, I. I. C. (2016). PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DAS RAIZES DA MANDIOCA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA. AGRI-ENVIRONMENTAL SCIENCES, 1(2). Recuperado de https://revista.unitins.br/index.php/agri-environmental-sciences/article/view/96