QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE GOIABAS ‘PEDRO SATO’ TRATADAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE FÉCULA DE MANDIOCA ASSOCIADAS A SUBSTÂNCIAS ANTIFÚNGICAS

  • Aroldo Gomes Filho Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
  • Thamiris Fernandes de Oliveira Mestranda Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF
  • Sirlene Lopes de Oliveira Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
  • Geovana Gonçalves Silva Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
  • Larissa Moreira Chaga Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG

Abstract

A goiaba ocupa lugar expressivo no ramo da fruticultura, no entanto, apresenta curto período de pós-colheita devido às altas taxas de transpiração e perda de massa. O uso de biofilme tem sido uma alternativa para prolongar o tempo de conservação pós-colheita. O presente trabalho teve por objetivo determinar a melhor concentração de biofilme à base de fécula de mandioca e extratos vegetais na conservação pós-colheita de goiabas (Psidium guajava L.) variedade ‘Pedro Sato’, armazenadas em temperatura ± 25°C e umidade relativa de ± 65%, sem reduzir a aceitação do fruto pelo consumidor. Os frutos, adquiridos em pomar comercial no estádio de maturação, foram cobertos com biofilmes à base de fécula de mandioca a 3 e 5%, e associados a diferentes concentrações de extratos de cravo da índia (Syzygium aromaticum L.) e melão-de-são-caetano (Momordica charantia L.). As análises foram realizadas no intervalo de dois dias durante o período de 9 dias de armazenamento.  Avaliou-se perda de massa fresca (PMF), acidez titulável (AT), pH, sólidos solúveis (SS), incidência de patógenos e análise sensorial. Para avaliação dos atributos de qualidade utilizou-se delineamento experimental inteiramente casualizado (DIC), em esquema fatorial, 7 x 5 correspondendo aos 7 tratamentos e aos 5 dias de avaliações respectivamente, a unidade experimental foi composta por dois frutos e três repetições, e para análise sensorial foi utilizado o método de correlação de notas atribuídas por cada julgador não treinado. Os resultados mostraram que os dias de armazenamento influenciaram PMF, SS, e AT, para a variável pH não houve influência. Os biofilmes mostraram-se eficientes no controle de doenças pós-colheita e de maneira geral os revestimentos em todas as formulações foram bem aceitos pelos provadores.

Author Biographies

Aroldo Gomes Filho, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual de Montes Claros (2003), Mestrado em Produção Vegetal pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (2005) e Doutorado em Genética e Melhoramento de plantas pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (2009). Atualmente é professor efetivo do Instituto Federal Norte de Minas Gerais -IFNMG, sendo o responsável pelas disciplina de Genética e Melhoramento Genético Vegetal. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fisiologia Vegetal e Melhoramento de Plantas, atuando principalmente nos seguintes temas: papaya, distúrbio fisiológico, lâminas de irrigação, divergência genética, Psidium guajava, caracterização físico-química, Adaptabilidade e estabilidade de genótipos e variedades crioulas. 
Thamiris Fernandes de Oliveira, Mestranda Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF
Mestranda Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF com experiência na área de Pós-colheita de Frutas e Hortaliças.
Sirlene Lopes de Oliveira, Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG, bolsista de IC atuando na área de Fitotecnia.
Geovana Gonçalves Silva, Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG, voluntária em trabalhos de IC, atuando na área de Fitotecnia.
Larissa Moreira Chaga, Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG
Discente no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG, voluntária em trabalhos de IC, atuando na área de Fitotecnia.

References

Alfenas, A.C. & Mafia, R.G. (2007). Métodos em Fitopatologia. 1º ed.Viçosa: Editora UFV. 382p.

Assis, O.B.G. & Britto, D. (2014). Revisão: coberturas comestíveis protetoras em frutas: fundamentos e aplicações. Brazilian Journal of Food Technology 17(2): 87-97. http://dx.doi.org/10.1590/bjft.2014.019

Azeredo, H.M.C. (2003). Películas comestíveis em frutas conservadas por métodos combinado: potencial da aplicação. Boletim CEPPA 21(2): 267-278. http://dx.doi.org/10.5380/cep.v21i2.1164

Bisen, A.; Pandey, S.K.& Patel, N. (2012). Efeito do revestimento de pele em prolongar a vida de prateleira de frutas kagzi limão (Citrus aurantifolia Swingle). Jornal da Ciência e Tecnologia de Alimentos 49(1): 753-759.

Borges, C.D.; Mendonça, C.R.B.; Zambiazi, R.C.; Nogueira, D.; Pinto, E.V. & Paiva, F.F.(2013). Conservação de morangos com revestimentos à base de Goma xantana e óleo essencial de sálvia. Bioscience Journal 29(5): 1071-1083.

Cenci, S.A. (2006). Boas Práticas de Pós-colheita de Frutas e Hortaliças na Agricultura Familiar. In: Nascimento Neto, F. do. (Org.). Recomendações Básicas para a Aplicação das Boas Práticas Agropecuárias e de Fabricação na Agricultura Familiar. 1ª edição. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. p.67-80.

Cerqueira, T.S.; Jacomino, A.P.; Sasaki, F.F. & Alleoni, A.C.C. (2011). Recobrimento de goiabas com filmes proteicos e de quitosana. Bragantia 70(1): 216-221.

Chitarra, M.I.F. & Chitarra, A.B. (2005). Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2ª ed. Lavras: Editora UFLA. 783p.

Fakhouri, F.M. & Grosso, C. (2003). Efeito de coberturas comestíveis na vida útil de goiabas in natura (Psidium guajava L.) mantidas sob refrigeração. Brazilian Journal of Food Technology 6(2): 203-211.

Fischer, I.H.; Almeida, A.M.; Arruda, M.C.; Bertani, R.M.A.; Garcia, M.J.M. & Amorim, L.(2011). Danos em pós-colheita de goiabas na região do Centro-Oeste Paulista. Bragantia 70(3): 570-576. http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052011005000009.

Gorinstein, S.; Zemser, M.; Haruenkit, R.; Chuthakorn, R.; Grauer, F.; Martin-Belloso, O. & Trakhtenberg, S. (1999). Comparative content of total polyphenols and dietary fiber in tropical fruits and persimmon. The Journal of Nutritional Biochemistry 10(6): 367-371. http://dx.doi.org/10.1016/S0955-2863(99)00017-0

Instituto Adolfo Lutz.(2008). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4ª ed.1ª Edição Digital. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz.1020p.

Instituto Adolfo Lutz. (1985). Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos, 3ª ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz.

Jacomino, A.P.; Ojeda, R.M.; Kluge, R.A. & Scarpare Filho, J.A. (2003). Conservação de goiabas tratadas com emulsões de cera de carnaúba. Revista Brasileira de Fruticultura 25(3): 401-405. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452003000300010.

Kader, A.A. (2002). Postharvest technology of horticultural crops. 3ªedição. Oakland: UCANR Publications. 535 p.

Lemos, L.M.C.; Coutinho, P.H.; Salomão, L.C.C.; Siqueira, D.L. & Cecon, P.R. (2013). Controle da antracnose na pós-colheita de manga ‘Ubá’ com o uso de produtos alternativos.Revista Brasileira de Fruticultura 35(4): 962-970. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452013000400006.

Lemos, O.L.; Rebouças, T.N.H.; José, A.R.S.; Vila, M.T.R. & Silva, K.S. (2007). Utilização de biofilme comestível na conservação de pimentão ‘Magalir’ em duas condições de armazenamento. Bragantia 66(4): 693-699. http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052007000400020.

Luguinho, F.S. Santos, A.F.; Bezerra, J.M. & Vieira, M.M.S. (2014). Avaliação não destrutiva na conservação de goiaba 'Paluma' com o uso de embalagens modificadas. Revista Verde 9(5): 40-50.

Luvielmo, M.M. & Lamas, S.V. (2012). Revestimentos comestíveis em frutas. Estudos Tecnológicos em Engenharia 8(1): 8-15.

Marinho, M.V.M.; Figueirêdo, R.M.F.; Queiroz, A.M.Q.; Santiago, V.M.S. & Gomes, J.P. (2012). Análise físico-química e sensorial de iogurte de leite de cabra com polpa de umbu. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais 14(Especial): 497-510.

Oshiro, A.M.; Scalon, S.P.Q.; Argandoña, E.F.S. & Zarate, A.H. (2011). Conservação pós-colheita de goiabas ‘Pedro Sato’ em atmosfera modificada, associada ou não a refrigeração. Revista Agrarian 4(14): 294-302.

Padula, M. & Rodriguez-Amaya, D.B. (1986). Characterisation of the carotenoids and assessment of the vitamin A value of Brazilian guavas (Psidium guajava L.). Food Chemistry 20(1): 11-19.http://dx.doi.org/10.1016/0308-8146(86)90163-9

Pessoa, T.; Amaral, D.S.; Duarte, M.E.M.; Cavalcante Mata, M.E.R.M. & Gurjão, F.F. (2011). Avaliação sensorial de goiabas passas obtida por técnicas combinadas de desidratação osmótica e secagem. Holos 4(27): 137-147. http://dx.doi.org/10.15628/holos.2011.638

Queiroz, V.A.; Monnerat, P.H.; Ferreira, K.S.; Queiroz, L.R. & Silva, J.A.D. (2005). Teores de Na, K, Ca, Mg, Fe, Zn, Cu e Se, de Frutas Consumidas na Região Norte Fluminense. Nutrire 30(Suplemento): 285-285.

Santos, A.E.O.; Assis, J.S.; Berbert, P.A.; Santos, O.O.; Batista, P.F. & Gravina, G.A. (2011). Influência de biofilmes de fécula de mandioca e amido de milho na qualidade pós-colheita de mangas ‘Tommy Atkins. Brazilian Journal of Agricultural Sciences 6(3): 508-513 http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v6i3a755.

Santos, M.C. (2012). Efeito dos subprodutos de aroeira e do biofilme a base quitosana na pós-colheita e controle da antracnose em goiabas ‘Paluma’. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe. 94p. Dissertação de Mestrado.

Serpa, M.F.P.; Castricini, A.; Mitsobuzi, G.P.; Martins, R.N.; Batista, M.F. & Almeida, T.H. (2014). Conservação de manga com uso de fécula de mandioca reparada com extrato de cravo e canela. Revista Ceres 61(6): 975-982. http://dx.doi.org/10.1590/0034-737X201461060013

Siqueira, A.P.O. (2012). Uso de coberturas comestíveis na conservação pós-colheita de goiaba e maracujá-azedo. Campos Dos Goytacazes: Universidade Estadual Do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. 91p. Dissertação de Mestrado.

Vila, M.T.R.; Lima, L.C.O.; Boas, E.V.B.; Hojo, E.T.D.; Rodrigues, L.J. & Paula, N.R.F. (2007). Caracterização química e bioquímica de goiabas armazenadas sob refrigeração e atmosfera modificada. Ciência e Agrotecnologia 31(5): 1435-1442. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542007000500025.

Published
2016-12-20
How to Cite
Gomes Filho, A., Oliveira, T. F. de, Oliveira, S. L. de, Silva, G. G., & Chaga, L. M. (2016). QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE GOIABAS ‘PEDRO SATO’ TRATADAS COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE FÉCULA DE MANDIOCA ASSOCIADAS A SUBSTÂNCIAS ANTIFÚNGICAS. AGRI-ENVIRONMENTAL SCIENCES, 2(1), 37-51. Retrieved from https://revista.unitins.br/index.php/agri-environmental-sciences/article/view/189
Section
Artigo científico

Most read articles by the same author(s)